Pixel do Facebook

Alma de CowboyFilme na Netflix

Ricky Staub
Drama2021

101 min

Alma de CowboyAlma de Cowboy
(2021)

Trailer

Sinopse

Um adolescente rebelde vai morar com o pai durante o verão e descobre um lar numa comunidade unida de caubóis negros da Filadélfia.

Ficha técnica

Por que assistir a este filme?

Uma das melhores coisas que o cinema pode oferecer ao espectador é o mergulho em novas culturas, novas sociedades, novos grupos sociais. Afinal, do sofá de casa, conseguimos entender e experienciar um pouco o que pessoas das mais diferentes vivências e lugares fazem. E é esse o grande mérito de 'Alma de Cowboy', longa-metragem selecionado para o Festival de Toronto. Aqui, conhecemos o mundo dos cowboys do asfalto. Majoritariamente negros, eles resistem com sua cultura nos guetos do estado americano da Filadélfia mantendo estilos próprios, carinho com os animais e um vínculo de amizade muito forte. E, para se aprofundar ainda mais nessa cultura, o diretor estreante Ricky Staub se vale da relação de um pai cowboy (Idris Elba, muito bem no papel) com o filho problemático (Caleb McLaughlin, de 'Stranger Things'). Assim, mesmo que se valha de chavões desnecessários e algumas facilitações narrativas bobas, que podem incomodar, é um longa-metragem de mergulho. De vivência. Quem souber aproveitar o que o filme realmente tem de bom, sem dúvidas, vai sair da projeção com uma história pra contar.

Matheus Mans

Matheus Mans

Editor do Filmelier

'Alma de Cowboy' é, certamente, um daqueles filmes que permitem diversos olhares por parte do espectador. Na superfície, temos a história de um adolescente (Caleb McLaughlin, de 'Stranger Things') sendo obrigado a se reconectar com o pai ausente, vivido por Idris Elba. Em meio a isso, a história, ainda que não aborde a sexualidade, ganha contornos de 'Moonlight', revelando o amadurecimento de um jovem negro na cidade. O longa, no entanto, é mais do que isso: representa um mergulho na cultura dos cowboys do concreto da Filadélfia, herdeiros de um estilo de vida pouco abordado nos cinemas e próximo da extinção. Há, dentro desse contexto, uma grande crítica ao processo de gentrificação dos centros urbanos, que afasta os verdadeiros donos da cidades e troca a identidade local por blocos de concreto homogeneizados. Tudo isso enquanto pinta a tela com a luz amarela das lâmpadas de vapor de sódio da iluminação pública - e trazendo não-atores, pessoas reais dessa comunidade da Filadélfia, como co-estrelas da história. Como filme, 'Alma de Cowboy' tem os seus tropeços, mas o seu valor enquanto registro cultural (dando voz a uma parcela da sociedade) é, sem dúvida alguma, enorme.

Renan Martins Frade

Renan Martins Frade

Editor-chefe do Filmelier

Onde assistir?

Indisponível nos cinemas

Disponível em casa

Publicidade