Maior que o Mundo

    Roberto Marquez
    Maior que o MundoMaior que o Mundo
    (2022)

    Trailer

    Sinopse

    O drama de Kbeto é ser um escritor com bloqueio criativo há anos. Kbeto até tem ideias —algumas brilhantes—, mas prefere desperdiçá-las na noite frenética paulistana. Um dia, dentro de uma caçamba de entulho, Kbeto encontra o diário de um anão facínora. Fascinado pela história do anão Altair, ele transcreve o bombástico manuscrito e publica o romance 'Maior que o Mundo' com seu nome, que logo alcança um sucesso estrondoso de público e crítica. É aí que seus problemas começam.

    Ficha técnica

    Por que assistir a este filme?

    Filme que faz homenagem ao chamado cinema Boca de Lixo, ‘Maior que o Mundo’ começa com uma provocação: Kbeto (Eriberto Leão), o protagonista, é o típico personagem da chamada “literatura masculina”. É um bon-vivant que sai por aí transando, se drogando e que vive da literatura. Parece uma personificação de algum tipo de Bukowski. A partir daí, o diretor Roberto Marquez mergulha na história desse escritor que vive uma crise criativa. No seu dia a dia, fica apenas usando drogas ao lado da amiga Mina (Luana Piovani), transando com a jovem Audra (Gabi Lopes) e bebendo no bar perto de casa. Só que, aos poucos, ele vai perdendo o controle, com as contas apertando e o dinheiro acabando. É aí que ele decide radicalizar: quando encontra um diário em uma caçamba, sobre um anão traficante, ele simplesmente plagia a trama. Publica como se fosse sua. O resto, então, é história. A partir daí, ‘Maior que o Mundo’ exige afinco do público, já que abraça o farsesco sem nunca aprofundar a trama como deveria. Com isso, o filme pode ser interpretado como piada, uma comédia sem graça, deixando de lado a boa homenagem e o final deveras impactante.

    Matheus Mans

    Matheus Mans

    Editor do Filmelier

    Onde assistir?

    Fora de cartaz nos cinemas

    Em breve em casa

    Publicidade