apocalypse2

‘Apocalypse Now: Final Cut’ será lançado no streaming do Belas Artes

Versão final do clássico de Francis Ford Coppola, longa irá estrear na plataforma em 1º de julho junto de dois documentários sobre o filme

Matheus Mans   |  
23 de junho de 2020 17:43
- Atualizado em 25 de junho de 2020 18:03

‘Apocalypse Now: Final Cut’, versão definitiva do clássico de guerra de Francis Ford Coppola, finalmente tem data para chegar no Brasil. A distribuidora Pandora anunciou nesta terça-feira, 23, que o longa desembarca no À La Carte, o streaming do Petra Belas Artes, em 1º de julho.

Com isso, o público brasileiro terá a primeira oportunidade de entrar em contato com a versão que Coppola considerou a ideal para o filme. Segundo ele, esta não é tão curta quanto a edição original do filme, nem tão longa quanto o segundo corte — o chamado “Redux”, com mais de 3h de duração.

‘Apocalypse Now: Final Cut’ finalmente chega ao público brasileiro (Crédito: Divulgação/Pandora)

Além disso, a Pandora irá trazer ao seu catálogo dois documentários que ajudam a entender o impacto e grandiosidade da obra de Coppola: ‘Apocalipse de Um Cineasta’, codirigido por Eleonor Coppola, esposa de Francis; e ‘Dutch Angle: Fotografando Apocalypse Now’, de Baris Azaman.

Publicidade

Por fim, para assistir aos filme, o usuário pode comprar pacotes. Apenas ‘Apocalypse Now: Final Cut’ será vendido no À La Carte por R$ 14,90. Enquanto isso, o longa-metragem de Coppola e os dois documentários serão comercializados juntos por R$ 19,90. Só os documentários, R$ 7,90.

Bastidores de ‘Apocalypse Now’

Vale ressaltar que os documentários sobre o filme são importante para compreender o filme pelo caos nos bastidores. Os problemas começaram já na escalação do elenco, após Steve McQueen e Al Pacino recusarem o convite para interpretar o protagonista capitão Benjamin Willard.

Quem acabou ficando com o personagem foi o ator Harvey Keitel. No entanto, após algumas cenas rodadas, Coppola não se convenceu de que ele era o ator ideal. No final, o papel acabou ficando nas mãos de Martin Sheen, que havia impressionado o diretor em testes para ‘O Poderoso Chefão’.

Nos documentários, é possível ver o caos dos bastidores do filme (Crédito: Divulgação/United Artists)

Mas mesmo após este imbróglio inicial, as coisas não se resolveram rapidamente. Sheen, por exemplo, sofreu um infarto durante as filmagens, tendo que paralisar toda a produção. Depois, um tufão passou pela região das Filipinas — onde o filme era gravado — e destruiu parte do set do filme.

Marlon Brando também deu problemas. Com dificuldades financeiras, o astro acabou postergando o início das filmagens enquanto “tentava entrar no papel”. Ganhou US$ 1 milhão, em uma semana, apenas para papear e ler o romance que inspirou o longa-metragem, ‘O Coração das Trevas’.

Direitos de distribuição

Vale ressaltar que, até hoje, os direitos de distribuição e exibição do filme são intrincados em todo o mundo. No Brasil, em 1979, o filme chegou pelas mãos da Condor Filmes — que hoje já não existe mais. Depois, em VHS e DVD, o longa saltou da finada CIC para a Buena Vista, um braço da Disney.

Desde então, porém, os direitos não tinham sido resolvidos para distribuição digital nas versões original e Redux. Agora, com o Final Cut, a Pandora pode arrematar os direitos de exibição do filme. Afinal, além do digital, a empresa também exibiu o clássico no drive-in do Belas Artes.