bardo-alejandro-inarritu-netflix-data

‘Bardo’: Entre virtuosismo, vaidade e autopiedade

‘Bardo’ mostra o diretor mexicano Alejandro González Iñárritu de volta ao México em uma exploração da identidade mexicana, migração, sucesso e família

Lalo Ortega   |  
16 de dezembro de 2022 22:06

Desde a sua estreia no último Festival de Veneza, ‘Bardo: Falsa Crônica de Algumas Verdades’ esteve rodeado de descrições como “o filme mais pessoal” do seu realizador, o mexicano Alejandro González Iñárritu.

É “seu ‘8 ½’”, dizem alguns, aludindo à comédia metaficcional surreal que o italiano Federico Fellini lançou em 1963 como seu “oitavo filme e meio”, em que um renomado cineasta sofre de bloqueio criativo para seu próximo trabalho, enquanto lidando com seus conflitos pessoais, passados ​​e presentes.

A comparação é corriqueira, mas não é errada. ‘Bardo’ também começa com um homem no ar, tentando se manter à tona (ou está lutando para manter os pés no chão?). E, assim como o diretor italiano com o ator Marcello Mastroianni em ‘8 ½’, González Iñárritu tem aqui seu alter ego em Daniel Giménez Cacho.

Aqui o ator interpreta Silverio Gama, um aclamado jornalista e documentarista conhecido nos Estados Unidos. Depois de ser nomeado vencedor de um prêmio de prestígio no norte do país, Silverio decide visitar seu país natal, o México, com sua família, em meio a uma crise existencial.

Publicidade

Para quem conhece a história de González Iñárritu, Silverio nada mais é do que um véu muito fino com o qual o diretor se ficcionaliza (com a ajuda de seu corroteirista, Nicolás Giacobone). Alejandro, como Silverio, começou na publicidade antes de dar o salto para o cinema. Como Silvério, ele alcançou a fama por um único trabalho de sucesso no México (‘Amores Perros’), apenas para sair e filmar a maior parte de seu trabalho no exterior. Sabe-se que seus parentes chamam Alejandro de “El negro”, em alusão à cor de sua pele. Pelo mesmo motivo, Silverio é conhecido como “El prieto”, apelido pejorativo que o deixa constrangido.

Passagens surreais repentinas são a norma em ‘Bardo’ (Crédito: Netflix)

Como ‘Bardo’ deixa ver em seu discurso, Silvério também é questionado por outros devido à sua aparente preferência por viver (e, segundo alguns, trabalhar para) os Estados Unidos ao invés do México, um lugar-comum ocioso expresso por jornalistas, críticos e outros comentaristas ao longo de sua carreira. O jornalista ficcional está dividido entre esta dupla identidade, a de um homem que não está nem aqui nem lá, como também sente que é o caso da sua vida profissional e familiar.

Através de seu filme, González Iñárritu nos apresenta as divagações mentais de um homem através de suas múltiplas facetas e contradições, conseguindo traçar a genealogia de algumas delas até a relação de subordinação política e econômica entre México e Estados Unidos, ou colonização indígena por o espanhol.

Pela natureza de seu roteiro, o filme é composto por uma série de anedotas que fazem uso do surrealismo e do realismo mágico, tecidas apenas pelos pensamentos angustiados do protagonista nos dias que antecederam a prestigiada premiação, em sequências filmadas com virtuosismo audiovisual. formidável. Deve ser dito, ‘Bardo’ é uma maravilha para os olhos.

É um prazer visual tão grande que é fácil sucumbir às suas reflexões superficiais e autopiedade desordenada e presunçosa.

‘Bardo’: Sobre ganhar (supostamente) derrotas

Em uma das primeiras sequências do filme, Silvério conhece um oficial americano no Palácio de Chapultepec. Em uma de suas divagações mentais (representadas por um ludismo quase circense), o protagonista conta como, após a derrota esmagadora do exército nacional durante a intervenção dos Estados Unidos no México, a nação conseguiu erigir um de seus mitos mais heroicos: o dos Filhos Heróis.

Só os mexicanos, diz Silvério, são capazes de extrair uma vitória como esta de uma derrota, como se fosse uma habilidade quase exclusiva da nacionalidade. Afirmação que, somada a outra dita por ele posteriormente, já nos diz muito sobre o ‘Bardo’.

“Meu maior fracasso foi o sucesso”, diz Silverio mais tarde na filmagem, lamentando o que sacrificou por uma carreira de reconhecimento. A derrota esmagadora não é ter recebido um prestigioso prêmio jornalístico (ou dois Oscars de Melhor Diretor, se tirarmos o véu da ficção) em uma nação que despreza e habita, mas, aparentemente, as contradições identitárias que sofreu para alcançar seu tarefa.

Silverio questiona noções sobre família, lar e origem como preço do sucesso (Crédito: Netflix)

Silverio/Iñárritu passa a maior parte do filme assim, caminhando em seu próprio labirinto de solidão como mexicano, imigrante, pai, marido, cineasta e cidadão privilegiado, mas extraído de uma sociedade desfavorecida, sem encontrar saída ou sentido. “Pode ser mexicano demais para os americanos e americano demais para os mexicanos”, lamentou para si mesmo em Telluride. Pelo menos desta vez levou menos de três horas para dizê-lo.

À sua declaração sobre o seu grande fracasso, um certo personagem responde que a vida nada mais é do que uma série de eventos sem sentido e imagens idiotas, um fato a aceitar e ao qual se render. Mas, em ‘Bardo’, não é uma grande revelação a abraçar, como poderia ser em um filme de Fellini ou em um conto de Cortázar. É algo simplesmente dito, e parece estar na base das imagens de González Iñárritu que, embora não sejam idiotas, acabam por ser infantis.

Porque para onde ir ou para onde olhar quando outros contadores de histórias já escalaram a montanha e contemplaram o absurdo do universo? Alejandro González Iñárritu prefere ver o umbigo e pensar que talvez fosse melhor não sair e cortar o cordão. Mas uau, tanta evocação derivada de Fellini vai deliciar aquela impressionável Academia que tanto o recompensa e da qual ele tanto reclama. Veremos isso no Oscar de 2023.

‘Bardo’ está disponível na Netflix. Clique aqui para conferir mais informações sobre o filme, além do link para assisti-lo.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.