splash

Disney+ edita cenas de nudez em ‘Splash: Uma Sereia em Minha Vida’

Serviço de streaming da Disney adicionou efeitos visuais e cortou cenas de nudez com a protagonista Daryl Hannah

Matheus Mans   |  
13 de abril de 2020 17:28
- Atualizado em 17 de junho de 2020 12:07

Uma cena do filme ‘Splash: Uma Sereia em Minha Vida’ viralizou nas redes sociais nesta segunda, 13. Não por conta de alguma cena clássica com Tom Hanks ou por algum dos muitos momentos simpáticos do longa. Mas sim por conta da edição do serviço de streaming Disney+ numa cena de nudez.

No momento compartilhado e comentado no Twitter, a atriz Daryl Hannah aparece nua, correndo em direção ao Oceano. Porém, para mascarar o momento e manter o Disney+ como um “serviço de streaming familiar”, a Disney utilizou a versão com efeitos especiais, que alonga o cabelo da atriz.

Além disso, em outra cena, também com nudez da atriz, a plataforma encontrou como solução dar um zoom e, assim, esconder a nudez.

Publicidade

Por enquanto, a empresa não se pronunciou sobre a edição aplicada nas duas cenas, nem se há mais filmes com “censura”. Alguns usuários também chamaram a atenção de que a Disney está usando uma versão para a televisão americana. Dessa maneira, mantém a classificação etária baixa.

Curiosamente, ‘Splash: Uma Sereia em Minha Vida’ é considerada uma “comédia romântica familiar”, dirigida pelo cineasta Ron Howard.

Nudez na TV

A decisão da Disney+ em exibir uma versão editada para esconder nudez não é uma prática exclusiva do streaming. Canais de televisão, usualmente, se valem de efeitos especiais, cortes e filtros para reduzir a exposição de atores e atrizes. Assim, conseguem ir de encontro à uma maior audiência.

Um caso clássico de edição de nudez aconteceu com o filme ‘Showgirls’, de Paul Verhoeven. Aqui, um efeito de CGI criou roupas íntimas inexistentes.

No Brasil, enquanto isso, canais abertos e pagos costumam fazer cortes em filmes com nudez, violência, sexo e uso de drogas – ou já recebem do localmente versões com tais subtrações. Assim, cai a classificação etária e os canais passam a ter liberdade de uso do material.