Crítica de ‘Divertida Mente 2’: a rara sequência da Pixar que vale a pena Crítica de ‘Divertida Mente 2’: a rara sequência da Pixar que vale a pena

Crítica de ‘Divertida Mente 2’: a rara sequência da Pixar que vale a pena

Embora repita a fórmula de sua antecessora, ‘Divertida Mente 2’ também a expande para criar a melhor sequência da Pixar em anos

Lalo Ortega   |  
13 de junho de 2024 12:36

Nos últimos anos, tem sido difícil se entusiasmar com as produções da Pixar: o regular Toy Story 4 e o medíocre spin-off Lightyear romperam a que outrora foi uma trilogia perfeita, e propostas como Os Incríveis 2 e Universidade Monstros empalidecem à sombra de suas predecessoras. Havia receios compreensíveis antes de ver Divertida Mente 2 (Inside Out 2), que chega aos cinemas brasileiros na próxima quinta-feira, 20 de junho.

Também não entusiasma saber que o “2” no título é sintoma de uma doença maior: que na Disney – e na Pixar, por extensão – a regra do jogo durante o futuro previsível é e será apostar no seguro: nas fórmulas e nos sucessos demonstrados. A triste história de uma das grandes casas da arte da animação, convertida na linha do “Ratinho Mickey”.

Publicidade

Divertida Mente 2 está, para o bem e para o mal, parada a meio caminho entre os picos criativos da Pixar e a sequencialite aguda crônica e terminal da Disney e Hollywood. É facilmente a melhor das sequências recentes da Pixar (o que não é grande feito em si mesmo, se olharmos o antecedente). Obviamente não é tão original quanto o primeiro filme, mas expande sua fórmula e conceitos para alcançar algo divertido e emotivo.

Presos na mente

E falamos de fórmulas porque, sob a superfície, Divertida Mente 2 é quase idêntica à sua antecessora. A trama se situa anos depois, com Riley (voz em inglês de Kensington Tallman) entrando na puberdade e enfrentando várias mudanças em sua vida: está prestes a entrar no ensino médio, mas terá que se separar de suas amigas. Passarão um último fim de semana juntas em um acampamento, onde poderão ser recrutadas para um time de hóquei.

Até este ponto, a mente de Riley é operada por suas cinco emoções básicas: Alegria (Amy Poehler), Tristeza (Phyllis Smith), Raiva (Lewis Black), Medo (Tony Hale) e Nojinho (Liza Lapira).

No entanto, com Riley entrando na adolescência e forjando sua identidade, o roteiro, escrito a quatro mãos por Meg LeFauve (da original) e Dave Holstein (Weeds), introduz o conceito das crenças: ideias que a protagonista tem sobre o mundo e sobre si mesma, baseadas em suas experiências de vida.

As memórias de Riley são as “sementes” de suas crenças em Divertida Mente 2 (Crédito: Disney)
As memórias de Riley são as “sementes” de suas crenças em Divertida Mente 2 (Crédito: Disney)

Mas Riley está crescendo: sua vida – e desejos – se tornam mais complexos, o que requer outro tipo de emoções para navegar por essas mudanças. Ansiedade (Maya Hawke), Inveja (Ayo Edebiri), Vergonha (Paul Walter Hauser) e Tédio (Adèle Exarchopoulos) aparecem para tomar o controle de sua mente, reprimindo e desterrando as outras emoções, criando experiências que darão lugar a novas crenças – e novas formas para Riley perceber a si mesma.

Até aqui, Divertida Mente 2 mantém a mesma fórmula do filme original: enquanto eventos acontecem em um curto espaço de tempo na vida de Riley (apenas alguns dias), o tempo se dilata dentro de sua cabeça para uma história mais complexa. As emoções devem ir de um lado a outro, em busca de restaurar o status quo na cabeça da menina.

Assim, no papel, podemos dizer que esta sequência não é precisamente original – fato que afeta todas as sequências, por definição. No entanto, o resultado não sofre pela virtude de que, conceitualmente, o mundo de Divertida Mente tem o potencial de ser tão fértil, complexo e criativo quanto a mente humana.

Divertida Mente 2: aprendendo a pensar as emoções

A grande virtude desta criação da Pixar é que consegue representar visual e concretamente os complicados processos da mente humana e a criação de identidade por meio da experiência e da memória –por definição, conceitos abstratos e subjetivos.

Por um lado, e apesar da repetição, Divertida Mente 2 consegue contar uma história interessante e emotiva. Todos –pelo menos deste lado do mapa – já experimentamos a incerteza pelo futuro, o desejo de pertencer, a vergonha de errar. Talvez nunca tenhamos buscado pertencer a um time esportivo, mas como seres humanos, queremos algo.

Essa universalidade simples na história de Riley faz com que as duas entregas de Divertida Mente sejam infinitamente tão divertidas quanto didáticas. Se por algo resultam fascinantes, é por nos mostrar o funcionamento de nossa psique como indivíduos.

Divertida Mente 2 brilha pelo seu didatismo para apresentar o mundo da mente humana (Crédito: Disney)
Divertida Mente 2 brilha pelo seu didatismo para apresentar o mundo da mente humana (Crédito: Disney)

E isso pode ser tão ilustrativo quanto terapêutico, o que tem um potencial positivo para as novas gerações de espectadores. Na tradição da Pixar e recentes filmes dos Disney Animation Studios, o antagonista aqui não é um inimigo que deve ser vencido. É uma força oposta, mas não necessariamente hostil, com a qual deve-se buscar a reconciliação.

Se há um mérito definitivo em Divertida Mente 2, seria esse. Por esses motivos, é a rara sequência da Pixar que genuinamente vale a pena ver. E o potencial para mais sequências está lá, em uma Riley universitária, adulta ou de meia-idade. Mas para o bem da integridade artística do aclamado estúdio de animação, tomara que esse reencontro demore muito, muito tempo.

Divertida Mente 2 chega às telas brasileiras em 20 de junho.

Assista a filmes online grátis completos agora mesmo com o Play Surpresa do Filmelier

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.