globo-de-ouro

Associação do Globo de Ouro aprova mudanças para ter mais negros entre os votantes

Objetivo da Hollywood Foreign Press Association é ter pelo menos 50% de seus integrantes vindos de minorias, diminuindo falta de pluralidade

Matheus Mans   |  
6 de maio de 2021 18:37
- Atualizado em 10 de maio de 2021 12:16

A Hollywood Foreign Press Association (HFPA), grupo de jornalistas estrangeiros responsável pelo Globo de Ouro, aprovou nesta quinta-feira, 6, uma série de reformas na organização da premiação, já a partir deste ano. A decisão da HFPA surge meses depois de críticas à falta de transparência e de pluralidade, que hoje não conta com negros dentre seus 86 membros.

Primeiramente, o conselho da HFPA deve admitir vinte novos membros até o final de 2021, com foco específico nas chamadas minorias — negros, asiáticos, latinos, dentro outros. A meta final da organização, de acordo com o que foi aprovado pelos membros na tarde de hoje, é ter pelo menos 50% de seus integrantes vindos de minorias, diminuindo a falta de pluralidade.

Globo de Ouro foi alvo de críticas após reportagem comprovar corrupção e falta de igualdade na HFPA (Crédito: Divulgação/Golden Globes)

De acordo com reportagem do The Hollywood Reporter, uma série de medidas serão tomadas. Para facilitar essa transformação, a instituição deixa de exigir que os membros do HFPA residam no sul da Califórnia, ampliando a elegibilidade para qualquer jornalista qualificado que viva nos Estados Unidos e trabalhe para um meio de comunicação estrangeiro.

Publicidade

Por fim, também passa a aceitar jornalistas que trabalhem em mídias digitais, assim como abre mão da exigência de que os novos integrantes sejam apadrinhados por outros membros da HFPA — algo que acaba criando a sensação de que a instituição é apenas um clube de amigos cinéfilos. Também não há mais limite de novos membros aceitos a cada ano.

Crise do Globo de Ouro

Enquanto isso, outras decisões tentam melhorar a imagem da instituição. Afinal, há anos, o Globo de Ouro é conhecido pelos jabás e presentes distribuídos aos votantes, às vezes por baixo dos panos, por produtoras e grandes distribuidoras. Assim, a HFPA acaba criando a sensação, muitas vezes, de que certas produções não foram indicadas ao prêmio por mérito.

‘Nomadland’ foi o último grande filme vencedor do Globo de Ouro, no início de 2021 (Crédito: Divulgação/20th Century Studios)

Agora, “todos os integrantes atuais serão obrigados a atender aos mesmos padrões dos membros entrantes para o recredenciamento”, assim como terão que aderir a “um novo código de conduta”. Este código de conduta determinará que os membros não aceitem mais itens promocionais e visa abordar melhor a “estrutura da viagem da imprensa” e “procedimentos de entrevista coletiva, incluindo consultoria com publicitários”.

Além disso, o HFPA irá “contratar uma equipe de gestão profissional, incluindo, mas não se limitando a, um Diretor Executivo, Diretor de Diversidade, Equidade e Inclusão, Diretor de Recursos Humanos e Diretor Financeiro, com o objetivo de ter o Diretor de Diversidade, Equidade e Inclusão assumindo todas as suas funções até 1º de setembro de 2021”.

No entanto, vale lembrar que, mesmo antes dessas mudanças, a HFPA já tinha alguns limites para evitar a corrupção dos votantes, principalmente com limite de preço dos jabás e outras coisas do tipo. Ainda assim, porém, a instituição tapou os olhos e não reclamou quando votantes, por exemplo, foram à França para visitar o set da série ‘Emily em Paris’, ainda em 2019.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.