WhatsApp Image 2020-06-26 at 10.40.05

Morre Suzana Amaral, diretora de ‘A Hora da Estrela’, aos 88 anos

Cineasta morreu na quinta-feira, aos 88 anos; causa da morte não foi divulgada

26 de junho de 2020 11:01
- Atualizado em 29 de junho de 2020 15:51

O cinema brasileiro teve uma triste perda na quinta-feira, 25. A cineasta Suzana Amaral faleceu, aos 88 anos. A notícia foi confirmada pelo Hospital Sírio-Libanês, onde ela estava internada, segundo o G1.

A causa da morte não foi divulgada, pois a família não autorizou. Ainda de acordo com as informações do Sírio-Libanês, a diretora teve um AVC, no ano passado, o que deixou sua saúde fragilizada.

Suzana Amaral era paulista, nasceu em São Paulo e se formou em cinema, na Escola de Comunicação Social e Artes da USP, cursado entre 1968 e 1971. Nessa época, ela já era mãe de 9 filhos e estava prestes a se tornar avó.

Sem dúvida, uma mulher à frente de seu tempo. Enquanto conciliava os estudos com a maternidade, ela dirigiu seus primeiros curtas-metragens: ‘Eu sou Vocês’, ‘Nós Somos Eles’, ‘Semana de 22’ e ‘Sua Majestade, Piolin’.

Carreira de Suzana Amaral

Suzana foi uma figura importante para o cinema nacional. Dirigiu três longas, em mais de 35 anos de carreira. Seu primeiro filme, ‘A Hora da Estrela’, de 1985, foi elogiado pela crítica e premiado no Festival de Berlim.

Cena de 'A Hora da Estrela', filme premiado de Suzana Amaral
Suzana Amaral e Marcelia Cartaxo nos bastidores de ‘A Hora da Estrela’ (Crédito: Divulgação Embrafilme)

Publicidade

A produção é baseada no livro homônimo de Clarice Lispector e foi reconhecida com um Urso de Prata de melhor atriz para Marcelia Cartaxo e uma indicação ao Urso de Ouro para Suzana.

Suzana Amaral só voltou a fazer outro filme em 2001, quando lançou ‘Uma Vida em Segredo’, também baseado em uma obra literária. Dessa vez, ela se inspirou no livro homônimo de Autran Dourado.

A cineasta trabalhou também em documentários e programas de TV para a Cultura, até que em 2009 saiu seu último longa, ‘Hotel Atlântico’. Adaptado do romance de João Gilberto Noll.

Suzana Amaral sempre esteve próxima aos filmes, mesmo não os dirigindo mais. A diretora costumava se fazer presente nas Mostras de Cinema de São Paulo e apreciava ir ao cinema como ninguém.

Dona de um jeito único e muita vontade de falar, a diretora era uma figura incrível e memorável. Triste dizer que não será possível mais acompanhar sessões ao ar livre das obras de Suzana com a presença dela.