namor-black-panther-wakanda-fore

Quem é Namor, o vilão de ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’?

Em ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’, Namor é interpretado pelo mexicano Tenoch Huerta

Lalo Ortega   |  
9 de novembro de 2022 11:28

Pantera Negra: Wakanda para Sempre‘ chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 10, para encerrar a Fase 4 do Universo Cinematográfico Marvel (UCM). Um dos destaques é a inclusão de Namor como o vilão, aqui interpretado pelo ator mexicano Tenoch Huerta.

O personagem vai estrear em uma franquia de filmes já estabelecida e de longa data. No entanto, em suas origens, é um dos nomes mais antigos nas páginas da editora, Marvel Comics. Tão antiga, aliás, que a empresa nem tinha esse nome ainda.

Qual é a origem de Namor nos quadrinhos?

Antes da Marvel Comics

Também conhecido como “The Submariner”, Namor foi criado pelo artista e escritor Bill Everett para a Marvel Mystery Comics #1 de 1939, a primeira edição da Timely Comics, a entidade que acabaria adotando o nome Marvel Comics em 1961.

Everett criou esse personagem como um habitante do mundo aquático, como resposta ao personagem de Carl Burgos: Tocha Humana (não o do Quarteto Fantástico, mas sim um androide chamado Jim Hammons), que era capaz de cobrir seu corpo com fogo.

Publicidade

A dinâmica “fogo e água” provou ser bem-sucedida, levando à primeira história em quadrinhos abrangendo mais de um quadrinho. Foi também a primeira luta entre super-heróis em qualquer meio.

De acordo com Everett, sua inspiração para o personagem veio do poema de 1798, ‘The Rime of the Ancient Mariner’, escrito por Samuel Taylor Coleridge. No entanto, seu nome se originou da escrita de títulos “nobres” ao contrário, escolhendo “Roman” (invertido, Namor).

A primeira aparição de Namor na capa foi em Marvel Mystery Comics #4 (Crédito: Timely Comics)

O autor descreveu Namor como “um ultra homem das profundezas que vive na terra e no mar, devolvido pelo ar e tem o poder de mil homens da superfície”.

Seu caráter de anti-herói remonta às suas origens, já que Namor era originalmente um agente do caos e inimigo dos Estados Unidos. No entanto, no futuro, ele foi visto lutando ao lado dos Aliados na Segunda Guerra Mundial. Já na era da Marvel Comics e por meio de continuidade retroativa, ficou estabelecido que Namor fazia parte da equipe dos Invasores durante a guerra, junto com o Capitão América e o Tocha Humana.

Anos depois, quando a editora adotou o nome Atlas Comics, o personagem permaneceu em grande parte sem uso (exceto por outras incursões com o Capitão América e o Tocha Humana), apesar de ter sua própria série de quadrinhos.

Mutante e inimigo do Quarteto Fantástico

De volta à era da Marvel Comics, Namor voltou às páginas de quadrinhos em ‘Fantastic Four #4’, e de uma forma um tanto estranha. Um dos Quartetos Fantásticos, Johnny Storm, o descobre como um andarilho amnésico em Manhattan.

Após recuperar sua memória com a ajuda de Sue Storm, Namor retorna para sua casa nas profundezas, um lugar já identificado como Atlântida. No entanto, encontrando-o destruído por testes nucleares, ele jura vingança contra a humanidade. Isso o coloca no caminho do Quarteto Fantástico várias vezes nas páginas de quadrinhos.

É nessa época que suas motivações, características e mitologia começam a ser melhor elaboradas: ele é um rei do reino subaquático da Atlântida, filho de uma princesa atlante e de um explorador humano. Ele também fala em uma língua quase shakespeariana e até adotou um grito de guerra de marca registrada: “Imperius Rex!”

Namor nos quadrinhos
Namor intervém no evento de quadrinhos da ‘Guerra Civil’, 2006 (Crédito: Marvel Comics)

Nesses mesmos anos, Namor é designado retroativamente como um mutante, pertencente à mesma subespécie de personagens vistos nos quadrinhos dos X-Men . Ele é popularmente conhecido como o “primeiro mutante” da Marvel, já que foi o primeiro deles apresentado pela editora, embora tenha havido outros dentro da cronologia da ficção.

Como um mutante, seus poderes variam de força sobre-humana, velocidade, resistência e reflexos, a telepatia, a capacidade de se mover e respirar debaixo d’água, voar indefinidamente (graças às asas em seus tornozelos) e a capacidade de manipular a água, entre outros. potências variáveis ​​(mudam de acordo com o tempo e os autores).

Namor e seu salto complicado para o cinema

No caso de um personagem tão popular e longevo dos quadrinhos (quase tão longo quanto o Super-Homem), podemos nos perguntar por que sua chegada ao cinema demorou tantos anos. Como é frequente nestes casos, há uma resposta curta: direitos de adaptação.

Sim, houve, no passado, tentativas de levar Namor ao cinema com um filme solo. Em 1997, o diretor Philip Kaufman entrou em negociações com a Marvel Studios para dirigir um filme intitulado ‘Namor: The Sub-Mariner’, que teria o personagem como herói e abordaria questões ambientais.

Naquela época, a Marvel Studios era uma divisão da Marvel Entertainment que se encarregava de gerenciar a pré-produção dos filmes com base em suas propriedades. O estúdio encomendou roteiros e contratou diretores e elenco, e depois ofereceu esse “pacote” e produziu o filme em aliança com um dos grandes estúdios (como era o caso dos filmes do Homem-Aranha na época). 

Neste caso, a escolhida foi a Universal Pictures. É por isso que, nos anos seguintes, os direitos cinematográficos de Namor foram “complicados”, como descreve a situação o chefe da Marvel Studios, Kevin Feige. Ainda em 2014 , havia rumores de que a Universal e a Legendary Pictures estavam co-produzindo o filme juntas. Não foi até 2018 que Feige confirmou que, apesar das complicações persistentes, o personagem já poderia aparecer em alguma produção do MCU.

Kukulcán: Namor com influências pré-hispânicas

O salto de Namor para a tela grande, como já sabemos, vem com ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ . A nova parcela do MCU retorna o personagem às suas raízes como vilão, embora em muitos outros aspectos, ele possa ser um personagem completamente diferente.

Para esta versão cinematográfica, a Marvel Studios reinventa o personagem não como o rei da Atlântida, mas de Tlalocan. Quem conhece a mitologia das culturas mesoamericanas pré-hispânicas sabe que este é o nome do paraíso governado por Tlaloc, deus dos raios, chuva e terremotos, na cosmogonia mexicana.

Namor em Pantera Negra
As roupas desta versão do herói são claramente inspiradas nas culturas mesoamericanas pré-hispânicas (Crédito: Marvel Studios)

Em um dos trailers do filme, podemos até ouvir que Namor é identificado como Kukulcán. Este nome, da mitologia maia, significa “serpente emplumada”. Essa descrição também identifica o deus Quetzalcóatl (“serpente com penas de quetzal”) da mitologia asteca e outras divindades pré-hispânicas associadas ao vento, às artes, ao conhecimento e à sabedoria.

Em outras palavras, esta versão de Namor parece ser um amálgama de elementos de cosmogonias pré-hispânicas, de forma semelhante a Wakanda e seus personagens são uma mistura da grande diversidade de culturas africanas.

O escolhido para encarnar o anti-herói da Marvel no filme foi o mexicano Tenoch Huerta, que tem ascendência indígena Purépecha e Nahua. Sua estreia no cinema foi com o filme ‘Así del precipício’, em 2006. Em 2009 trabalhou no filme ‘Sem Identidade’, de Cary Fukunaga e, nos anos seguintes, teve papéis na série ‘Narcos: México’ e em franquias como ‘Uma Noite de Crime: A Fronteira’.

‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ estreia nos cinemas em 10 de novembro. Para saber mais sobre o filme, assistir ao trailer ou comprar ingressos, acesse aqui.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.