82nd Annual Academy Awards - "Meet The Oscars" New York

Oscar voltará a ter dez indicados a Melhor Filme a partir de 2021

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas anunciou que o Oscar terá dez indicados cravados na sua principal categoria, em vez de um número flutuante

Matheus Mans   |  
12 de junho de 2020 13:25
- Atualizado em 17 de junho de 2020 12:18

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas anunciou nesta sexta-feira, 12, mais mudanças para a premiação do Oscar de 2021. Ainda que a expectativa fosse a alteração de data, por conta da pandemia de covid-19, o rumor não se confirmou – mas a organização trouxe novas regras para a categoria principal do prêmio.

Em anúncio oficial, foi confirmado que a premiação de Melhor Filme voltará a ter dez indicados cravados a partir de 2021. Desde 2012, o número de filmes nesta categoria era flutuante, já que a norma permitia até dez indicados. Ou seja: em alguns anos eram apenas oito, em outros nove.

O motivo disso é que era exigido um mínimo de votos entre os membros da Academia para que um longa pudesse ser considerado apto para a categoria. Agora, serão considerados exatamente os dez filmes mais votados, em ordem direta, assim como feito nas premiações de 2010 e 2011.

Como funciona?

Publicidade

A categoria de Melhor Filme já tinha sido expandida em 2009, depois de polêmicas envolvendo a não-indicação de ‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, celebrado filme de Christopher Nolan sobre o herói da DC Comics.

Academy Awards mira horizonte de mudanças em 2021 (Crédito: Flickr/Davidlohr Bueso)

Assim, em 2010 e 2011, foram dez indicados cravados, como será agora. No entanto, acabaram voltando atrás e, em 2012, começaram com as até então atuais regras de votos mínimos. A categoria principal se tornou “flutuante”.

E isso tem rendido reclamações por parte da comunidade de Hollywood. Afinal, em várias das edições, filmes elogiados independentes e de outros países não entraram na lista, mesmo com uma “vaga” disponível.

Diversidade no Oscar

Essa é mais uma tentativa da Academia em diversificar seus indicados, com mais títulos estrangeiros e de diferentes gêneros. “Sabemos que há muito mais trabalho a ser feito para garantir oportunidades equitativas em todos os setores”, disse a CEO da Academia, Dawn Hudson, no comunicado. 

Além disso, o comunicado alertou que a Academia irá fazer estudos para promover a representatividade e inclusão de vozes minoritárias. E também quer incentivar que os membros votantes acessem o sistema de streaming da premiação para assistir aos possíveis filmes indicados ao longo do ano.

“A necessidade de resolver esse problema é urgente. Para esse fim, alteraremos – e continuaremos a examinar – nossas regras e procedimentos para garantir que todas as vozes sejam ouvidas e celebradas”, finalizou a executiva da premiação, indicando que mais novidades devem vir por aí.