peacock-xfinity-flex-tile

Peacock, plataforma da NBCUniversal, anuncia expansão para a Europa

Território europeu será o primeiro fora dos EUA para o serviço de streaming. Será que teremos a América Latina no futuro próximo?

29 de julho de 2021 11:37

A disputa entre as plataformas de streaming vai ganhar um novo participante na Europa. Nesta quinta, 29, a Comcast aproveitou a divulgação de seu relatório financeiro do segundo trimestre de 2021 para anunciar que a sua divisão NBCUniversal irá lançar a plataforma Peacock na Europa no final de 2021.

Até este momento, o Peacock (“Pavão”, em português, em referência ao logo do canal aberto NBC) está disponível apenas nos Estados Unidos – fazendo do Velho Continente a primeira expansão internacional do serviço de video on demand por assinatura.

A tela inicial do Peacock (Crédito: divulgação / Comcast)
A tela inicial do Peacock (Crédito: divulgação / Comcast)

O lançamento europeu, no entanto, não será com vendas diretas ao consumidor, como fazem os outros serviços. O Peacock estará disponível, ao menos neste primeiro momento, apenas para os 20 milhões de assinantes da operadora Sky naquele continente, sem custo adicional.

Publicidade

A estratégia lembra a do próprio lançamento do Peacock em seu país natal. Por lá, a plataforma começou em abril de 2020 apenas para os usuários da plataforma Xfinity, sendo expandido para o público em geral três meses depois.

A Comcast é dona tanto da Xfinity quanto do Sky Group, sendo que este último está presente no Reino Unido, Alemanha, Itália, Irlanda, Áustria e Suíça.

Vale ressaltar que a notícia também pode ser interessante para todo o mundo, inclusive para nós, brasileiros. Afinal, até hoje Comcast e NBCUniversal não haviam dado sinais de uma expansão do Peacock para outros países. Este é um começo nessa direção.

Porém, o principal desafio para o Peacock por aqui é a ausência da Comcast no mercado de TV paga ou de telefonia. O grupo tinha 80% da Sky Brasil, mas vendeu a participação para a DirecTV, da AT&T, há alguns anos. O mesmo movimento ocorreu no México.

Crescimento graças à Olimpíada

Os novos 20 milhões de assinantes em potencial vão se juntar aos 54 milhões que o serviço já tem nos EUA – sendo 20 milhões deles assinantes ativos mensalmente.

Entre outros destaques, a empresa informa que o crescimento no segundo trimestre foi motivado pelo lançamento de filmes como ‘O Poderoso Chefinho 2: Negócios de Família’ e a presença dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O Peacock tem três modelos de assinatura: grátis, Premium e Premium Plus. A versão sem custos não possui todo o catálogo disponível, enquanto as outras duas tem como principal diferença a presença ou não de publicidade. Na TV paga, o pacote incluso na assinatura para milhões de assinantes é o do Premium.

Comcast Center, sede da Comcast, em Philadelphia, EUA (Crédito: divulgação / Comcast)

De conteúdo, o serviço traz diversas produções da NBCUniversal, incluindo filmes e séries da Universal, além das títulos do canal aberto NBC, que tem muita tradição nos esportes, talk shows e programas de variedades. Há, também, conteúdo original e licenciado de outros estúdios, como Paramount, Warner Bros. e Lionsgate.

Filmes de cinema mais cedo

Agora, a plataforma quer diminuir o prazo entre o lançamento dos filmes da Universal nos cinemas e a disponibilização no Peacock, prática que se tornou mais comum no mercado em 2021.

Para isso, o Peacock terá a primeira e a última “janela de TV paga” de quatro meses desses longas-metragens. Ou seja, no máximo quatro meses após o lançamento nos cinemas, os filmes vão para o Peacock de forma exclusiva, ficam por lá outros quatro meses, saem e partem para os catálogos de Amazon Prime Video e Netflix, para depois voltarem ao Peacock por mais quatro meses. Tudo isso nos EUA.

É uma estratégia confusa, com filmes indo e voltando em diversos serviços de streaming por assinatura, mas a empresa afirma que busca um equilíbrio entre turbinar a qualidade de seu catálogo próprio enquanto fatura algum dinheiro com licenciamento em janelas de exibição intermediárias.

“Mostrando conteúdo em multiplas plataformas, os filmes da Universal vão constantemente se renovar através do ecossistema do streaming, o público terá multiplos pontos de acesso pelos quais poderá consumir o nosso conteúdo, e vamos gerar mais receita de terceiros, enquanto mantemos a janela mais valiosa no Peacock”, disse o CEO da Comcast, Brian Roberts, durante a conferência com os investidores.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.