2070229552_897d8579b4_k

Roteiristas de Hollywood assinam acordo para evitar greve

Profissionais da categoria exigiram novas regras para serviços de streaming e melhor plano de saúde

1 de julho de 2020 17:05

O sindicato de roteiristas americanos (WGA) e a Aliança de Produções Televisivas e Cinematográficas (AMPTP) chegaram em um acordo nesta quarta-feira, 1, após um período de tensão entre as entidades. Agora, Hollywood não deverá encarar outra greve da classe, como em 2007 e 2008.

Segundo informações obtidas pela Variety, as duas entidades de classe fecharam um acordo de três anos, impedindo a realização de novas greves. Negociações sobre vínculos com produções de streamings e o impacto do novo coronavírus influenciaram essa decisão por parte dos roteiristas.

Nem a WGA, nem a AMPTP, que representa estúdios e produtores, não se pronunciaram sobre o novo acordo e os novos termos estabelecidos.

Em 2007, roteiristas fizeram greve e paralisaram Hollywood (Crédito: Flickr/ John Edwards)

Novidades para roteiristas

Publicidade

Um dos principais pontos abordados pelos roteiristas foi a desvantagem no pagamento de séries para streaming. Afinal, o contrário de produções para a TV aberta, com mais de 20 episódios, as séries de serviços de streaming ficam em cerca de 13 episódios. Além do grande hiato entre as temporadas.

Agora, roteiristas não precisarão seguir acordos de exclusividade restritos. Além disso, o piso salarial por uma temporada completa, também com cerca de 13 episódios, aumentou. Saltou de cerca de US$ 280 mil (R$ 1,5 milhão, em conversão direta) para cerca de US$ 325 mil (R$ 1,75 milhão).

Outro ponto determinante no acordo foi com relação ao coronavírus. Preocupados com a situação de saúde ao redor do mundo e a falta de um sistema de saúde nos Estados Unidos, os profissionais da classe pediram uma cobertura mais ampla de seus planos de saúde durante este período.

Por fim, também pesou o desgaste que geraria uma greve neste momento, logo após a pandemia do novo coronavírus provocar a paralisação do setor e gerar desemprego em toda a indústria. Assim, uma greve de roteiristas neste momento iria complicar ainda mais a situação do cinema dos EUA.