Zé-do-Caixão

Zé do Caixão, um dos grandes nomes do terror nacional, morre aos 83 anos

Originalmente desprezado pela crítica, José Mojica Marins virou Ícone cult do cinema brasileiro

19 de fevereiro de 2020 18:45
- Atualizado em 21 de fevereiro de 2020 09:40

José Mojica Marins, mais conhecido como Zé do Caixão, morreu nesta quarta (19), aos 83 anos, vítima de uma broncopneumonia. O cineasta estava internado no hospital Sancta Maggiore e a informação da morte foi confirmada pela família à Folha de S.Paulo.

Natural de São Paulo, Mojica Marins nasceu em 13 de março 1936 numa família de artistas de circo e cresceu fascinado pela cultura pop dos quadrinhos e da sétima arte. Autodidata, começou a fazer filmes aos 12 anos, com uma câmera V8.

A carreira profissional começou no final dos anos 1950, quase sempre com Mojica Marins dirigindo, escrevendo e atuando. A estreia como Zé do Caixão, personagem que o imortalizou, foi em 1964 com ‘À Meia-Noite Levarei Sua Alma’. O enredo era sobre um sádico coveiro do interior, que surgiu pela primeira vez em um pesadelo do cineasta.

Curiosamente, o diretor não estava originalmente escalado para viver o protagonista – é que nenhum ator concordou em interpretá-lo.

Zé do Caixão e José Mojica Marins, criatura e criador, são nomes que se misturam na história do cinema brasileiro (crédito: reprodução)

Com o sucesso do personagem, o agora conhecido como Zé do Caixão se tornou um dos principais nomes da Boca do Lixo, região não-oficial no bairro da Luz, em São Paulo, que se tornou notória pelas produções cinematográficas de forte apelo sexual, baixo orçamento e grande público nos cinemas. Era um sucesso.

Publicidade

Com o fim da censura da Ditadura Militar e abertura para filmes mais explícitos de sexo e terror, a Boca do Lixo entrou em decadência – levando junto o Zé do Caixão. O retorno foi a partir dos anos 1990, com reprises na TV – principalmente no Cine Trash, da Band. Com o tempo, José Mojica Marins foi alçado a ícone cult, participando de inúmeros programas de televisão e sendo apresentado a novas gerações.

O sucesso mais recente foi com ‘Encarnação do Demônio’, de 2008, com o retorno do Zé do Caixão para uma última história. O longa-metragem foi selecionado para o Festival de Veneza.

Em 2015, o canal Space lançou uma sério biográfica baseada na vida do cineasta, chamada ‘Zé do Caixão’ e com Matheus Nachtergaele vivendo o protagonista.