The Menu

‘O Menu’: dos paradoxos da arte e dos cheeseburgers

‘O Menu’ é estrelado por Anya Taylor-Joy, Ralph Fiennes e Nicholas Hoult

Lalo Ortega   |  
17 de novembro de 2022 14:01

O que é arte, o que a qualifica como tal e qual sua função em nossa sociedade? Uma resposta definitiva iludiu essas questões desde que a humanidade e a própria arte existiram, e continuamos a debatê-las até hoje. ‘O Menu‘ chega em 1º de dezembro no serviço de streaming Star+ para entrar na discussão.

Só que neste filme, dirigido por Mark Mylod (conhecido por dirigir episódios de séries como ‘Game of Thrones’ e ‘Succession’), não estamos falando exatamente de arte. Ou talvez sim, mais de um de seus personagens diria, a maioria “gourmets” excêntricos dispostos a desembolsar milhares de dólares pelas experiências culinárias mais exclusivas.

Fiennes é um dos protagonistas do filme ‘O Menu’ (Crédito: Divulgação/Disney)

Nesse caso, é um dos lugares cobiçados do restaurante Hawthorne, localizado em uma ilhota própria e comandado pelo famoso chef Julian Slowik (Ralph Fiennes), que trata seus cardápios de gastronomia molecular como autênticas peças de arte conceitual. “Eles estão comendo o mar”, diz sobre um de seus pratos servidos com diferentes tipos de algas e moluscos em uma pedra do mar.

Publicidade

Outra pessoa que vê a comida de Slowik como tal é Tyler (Nicholas Hoult), que fotografa obsessivamente cada prato que passa por suas mãos e não tem escrúpulos em pagar US$ 1.250 (por pessoa) por uma mesa no restaurante. Para ele, cozinhar é uma arte criada com “a matéria-prima da própria vida”.

Sua namorada, Margot (Anya Taylor-Joy), está menos impressionada: ela não entende por que alguém pagaria US$ 1.250 (novamente) por comida que some no prato. No entanto, ela decide participar da experiência, mesmo quando descobre que ela nem era a pessoa que Tyler queria convidar em primeiro lugar.

E assim, acompanhado por ricos executivos de contas, estrelas decadentes de Hollywood, um monótono casal outonal e dois críticos gastronômicos elitistas, o jovem casal embarca na ilha para o que, em teoria, será a experiência gastronômica de suas vidas.

Mas, desde o início, Mylod cria uma atmosfera estranha para ‘O Menu’, cheia de incógnitas. São sugeridas relações moralmente questionáveis ​​entre os personagens, e a presença de Margot intriga profundamente o chef. A atitude do sous-chef (Hong Chau), cuja gestão do local se assemelha mais a um acampamento militar, choca-se frontalmente com o espírito de prazer e diversão dos comensais, que vão ficando conhecidos como peças de um jogo macabro de vingança.

Por que vingança? Os motivos são diferentes para cada um dos comensais e, por vezes, nem eles se apercebem. O que alimenta o desejo vingativo de Slavik é gradualmente revelado ao longo de uma experiência de vários episódios ou “tempos”, como um jantar de seu chef.

‘O Menu’ está em algum lugar entre o intelecto e o prazer

Esta estrutura capitular é apenas uma amostra do sutil ludismo metatextual que ‘O Menu’ apresenta. Boa parte dela é levantada através de seus personagens arquetípicos e seu papel no mundo da gastronomia. Ou, por extensão de sua analogia, no mundo da arte.

Embora, por isso, não haja um desenvolvimento complexo de personagens, pode-se dizer que cada um cumpre a função de satirizar os vícios e obsessões que fizeram da arte de criar e se divertir uma indústria de consumo. Uma indústria que, do ponto de vista do chef, divide o mundo entre quem dá e quem recebe.

Assim, em ‘O Menu’, podemos ver aqueles consumidores refletidos pelo status ou pela pose, ou aqueles que o fazem apenas fotografando compulsivamente a experiência, em vez de vivê-la, para fazer a curadoria das imagens públicas de suas vidas. Há também aqueles críticos (do cinema?) que, ao invés de exaltar ou dialogar, destroem e promovem o elitismo.

Anya Taylor-Joy é o peixe fora d’água no restaurante de ‘O Menu’ (Crédito: Divulgação/Disney)

Há também o outro lado da moeda, daqueles criadores que se contentam perfeitamente em criar algo puramente lucrativo, sem se importar com o tempo que seu público pode gastar com isso (nada pior do que investir nosso pouco tempo livre em um filme medíocre, nas palavras de Slowik).

Ou, na outra ponta do espectro, as obras criadas como insípidos jogos intelectuais, sem a menor vontade de fruição. Seja no mundo da comida ou do cinema, alguns oferecem gastronomia molecular, enquanto outros querem apenas cheeseburgers simples, gordurosos e não tão saudáveis.

“Iluminar as profundezas do coração humano é a missão do artista.”
Robert Schuman

O paradoxo de The Menu é que é um pouco o primeiro a falar do segundo. É um exercício cinematográfico que apela ao intelecto para criticar a nossa tendência quase esnobe de falar de um mundo de prazer, mas cujo foco se deslocou para os números, o elitismo, o academicismo e as aparências.

Felizmente, tanto Mylod quanto os escritores Seth Reiss e Will Tracy (ambos escrevem para programas de comédia como John Oliver e Seth Meyers) têm visão suficiente para tornar esta história divertida acima de tudo. O prato principal do ‘O Menu’ pode ser um pouco mais refinado e ácido, mas também há espaço para se deliciar sem grandes pretensões a não ser acompanhá-lo com umas batatas fritas (ou, já agora, umas pipocas).

‘O Menu’ estreia em 1º de dezembro no Star+. Para mais informações, como trailer e ficha técnica, clique aqui.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.