pantera-negra-2

‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ é uma bela homenagem e um caos narrativo

‘Pantera Negra: Wakanda Forever’ encerra a Fase 4 do Universo Cinematográfico Marvel

Lalo Ortega   |  
10 de novembro de 2022 14:47

Tem sido um longo e sinuoso caminho para as telas de ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre‘, que finalmente chegou aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 10 de novembro. O maior obstáculo de todos, é claro, foi a morte repentina de seu protagonista, Chadwick Boseman, que jogou uma bola curva na produção da Marvel Studios. Adicionado a isso ainda uma pandemia e controvérsias no set com a atriz Letitia Wright.

Com um roteiro quase completo apenas faltando alguns meses para a filmagem, o escritor/diretor Ryan Coogler foi forçado a repensar completamente sua visão para o filme. A Marvel decidiu não substituir Boseman no papel de T’Challa e, em vez disso, optou por focar a história em sua irmã, Shuri (Wright).

Shuri em Pantera Negra
Shuri avança desde o primeiro filme (foto) e ganha peso de protagonista (Crédito: Marvel Studios)

Embora Coogler afirme que muitos elementos do roteiro final estavam lá desde o início – e de fato há uma continuidade temática com o primeiro ‘Pantera Negra‘ – a verdade é que você pode ver as costuras no produto final. Mais por necessidade do que por padrão (embora com algumas escolhas questionáveis), ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ parece um junção de outros filmes.

Publicidade

A sequência começa justamente com uma desesperada Shuri em seu laboratório, tentando recriar artificialmente a sagrada Erva do Coração que dá poder ao Pantera Negra (lembre-se que as plantações foram destruídas pelo vilão Killmonger na primeira parte).

A erva é a última alternativa para salvar T’Challa de uma doença desconhecida. No entanto, enquanto Shuri está trabalhando, sua mãe, a rainha Ramonda (Angela Bassett), aparece para informá-la que seu irmão morreu. Shuri é consumida pela culpa enquanto a nação de Wakanda lamenta seu rei.

A morte de T’Challa, o último Pantera Negra, deixa Wakanda em uma posição de aparente fraqueza para o resto do mundo. A ganância se ergue: por um lado, na ONU, os países afirmam que a nação africana não cumpriu sua promessa de compartilhar o vibranium, um metal valioso que lhe permitiu um desenvolvimento tecnológico sem paralelo. Por outro lado, Wakanda enfrenta invasões de mercenários que buscam saquear o recurso.

Isso desencadeia a série de eventos que envolve os antagonistas da trama, já que os Estados Unidos redobram seus esforços para encontrar vibranium em outras partes do planeta. A invenção de uma estudante universitária genial, Riri Williams (Dominique Thorne) leva à descoberta de metal no Oceano Atlântico, onde os americanos descobrem a fúria de Namor (Tenoch Huerta).

A raia anticolonial do Pantera Negra

A inclusão (e reinvenção) de Namor para ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ é um dos aspectos mais interessantes da produção e é crucial para continuar os temas explorados na primeira parte.

Nos quadrinhos, Namor é um poderoso mutante que governa o reino subaquático da Atlântida. Para o filme, toda a mitologia em torno de Namor é transferida para o mundo mesoamericano pré-hispânico. Aqui, ele é o rei dos Talokan, uma sociedade separada dos antigos maias após o contato com outra fonte de vibranium os transformar em seres aquáticos.

Namor em Pantera Negra
Não há Atlântida aqui: Talokan é uma sociedade inspirada em culturas pré-hispânicas (Crédito: Marvel Studios)

Assim como Wakanda prosperou por milênios escondendo sua existência do resto do mundo, o abrigo das profundezas permitiu que Talokan florescesse em paz, longe das garras colonizadoras que, por séculos e até hoje, buscam aproveitar seus valiosos recursos naturais.

Desde sua primeira parcela, a saga do Pantera Negra tem sido sobre a defesa de culturas colonizadas e exploradas em favor do Ocidente branco. A nação fictícia de Wakanda serviu de artifício para imaginar uma África não colonizada, próspera graças a seus recursos e com sua cultura intacta.

Talokan pretende ser uma continuação dessa ideia, ao mesmo tempo em que contrasta Wakanda com sua antítese ideológica. Embora Wakanda tenha mantido a neutralidade em nome da paz, Namor não tem medo de levar Talokan à guerra com o mundo da superfície – incluindo Wakanda – se isso significar garantir a subsistência de seu povo. As duas nações podem ser aliadas quando suas posições são contraditórias entre si?

A exploração do tema anticolonial é, no papel, um dos pontos fortes desta edição. Também é louvável que Ryan Coogler tenha decidido dar continuidade, pois isso faz desta a saga mais substancial, de longe, em todo o Universo Cinematográfico da Marvel (o que não significa muito).

Namor em Pantera Negra 2
Namor não tem medo de tomar medidas radicais para defender seu povo (Crédito: Marvel Studios)

No entanto, ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ também falha em levar essas ideias muito mais longe. Ao longo do caminho, ele se envolve com as reviravoltas que deve dar para justificar a ausência de Boseman e a ascensão de Wright como protagonista da saga, bem como as referências excessivas impostas pela Marvel Studios.

A “fórmula Marvel” acaba prejudicando ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’

Todo filme da Marvel (pelo menos os que são “solo” e não conjuntos como ‘Os Vingadores’) deve ter um protagonista claro. ‘Wakanda para Sempre’ ficou sem o deles prestes a começar a filmar. Esse caminho tinha que ser traçado agora para Shuri, que não era nada mais do que um personagem menor em todas as suas aparições até agora.

Isso deixou muito terreno para cobrir para uma sequência cujo roteiro já tinha personagens e temas suficientes. O processo de Shuri desde a culpa, passando pelo luto, passando pela aceitação, até a raiva vingativa faz sentido, assim como uma base estabelecida desde a primeira parte de ‘Pantera Negra’. O problema é todo o resto.

Existem personagens de parcelas anteriores da franquia que são reintroduzidos sem muito propósito para o enredo. Everett Ross (Martin Freeman) é praticamente sem sentido, assim como Valentina Allegra (Julia Louis-Dreyfus), de Fontaine, que foi apresentada em ‘Viúva Negra‘. Nakia (Lupita Nyong’o) tem um impacto menor na história principal, com sua relevância principalmente relegada à cena pós-créditos.

E depois há a introdução de Riri Williams, que é basicamente uma personagem de “Macguffin” até ser inserida na sequência climática. Está claro agora que o plano da Marvel Studios é apresentar, um por um, os jovens heróis que eventualmente formarão os Jovens Vingadores. No entanto, essa prática de incluir novos personagens onde eles não são realmente necessários apenas infla a narração e a duração da filmagem (o filme tem quase três horas de duração).

Em outras palavras, enquanto ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ fez o que pôde com uma série de obstáculos infelizes e inevitáveis, e enquanto presta respeitosa homenagem a Chadwick Boseman, o resultado empalidece em comparação com seu antecessor. A narrativa sofre constantes desvios para tramas desnecessárias e, embora haja cenas de ação dignas de nota (ver luta de Namor é simplesmente espetacular), a produção é assolada por sequências de ação sem imaginação e o abuso cada vez mais frequente do CGI na franquia.

Com isso, a Marvel Studios encerra a “Fase 4” de sua narrativa multimídia. Vamos torcer para que a qualidade melhore para as próximas edições, mas a julgar pelo ritmo de lançamentos futuros , não temos muitas esperanças.

Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ já está nos cinemas. Para saber mais sobre o filme, ver o trailer ou comprar ingressos, acesse aqui.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.