Elizabeth II RIP

Elizabeth II também foi um ícone do cinema e da cultura pop

A rainha, morta aos 96 anos, se tornou presença constante em diversas produções durante os seus 70 anos de reinado – seja nos filmes de ‘James Bond 007’ ou em séries como ‘The Crown’

8 de setembro de 2022 14:32
- Atualizado em 14 de setembro de 2022 22:37

O personagem Mr. Bridger (Noël Coward) é um sujeito educado, de compostura, e um fervoroso súdito da rainha. Inclusive, na parede de seu escritório, há uma foto de Elizabeth II. Mas ele também é um mafioso – que convoca Charlie Croker (Michael Caine) para uma operação complicadíssima: roubar um carregamento de barras de ouro da FIAT, em Turim. Enquanto eles combinam a estratagema, a figura da monarca acompanha tudo com a sua expressão serena.

Tal cena faz parte de um clássico do cinema britânico, ‘Um Golpe à Italiana‘, e exemplifica se certa forma não só a importância da figura história da Elizabeth II, que morreu nesta quinta (8) aos 96 anos, como também o seu papel dentro da cultura pop.

No trono desde 1952, Elizabeth viu em seu reinado diversas explosões culturais – e essa devoção de seus súditos a levou para todas elas. Para além do longa estrelado por Michael Caine, talvez o maior veículo dessa presença tenha sido os filmes de James Bond. Afinal, 007 esteve – até hoje – à serviço secreto de sua majestade.

Mesmo que ela não apareça de carne e osso ali, é como se, espiritualmente, a representação de seu imperialismo fizesse parte das ações do agente secreto, que nessas décadas todas foi interpretado por Sean Connery, George Lazenby, Roger Moore, Timothy Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig. Desde 1962 são vários atores, mas uma só rainha.

Publicidade

O auge dessa parceria entre realeza e MI6, no entanto, veio apenas em 2012. Foi quando, nos Jogos Olímpicos de Londres, o próprio Bond foi ao encontro de Elizabeth para escoltá-la até a cerimônia de abertura. Sem dúvida alguma, essa é a maior atuação da rainha e de seus cachorros da raça corgi – incluindo até uma cena de ação de tirar o fôlego.

Ninguém da família Windsor foi ferido durante as filmagens. Confira:

🎞  Quer saber as estreias do streaming e dos cinemas? Clique aqui e confira os novos filmes para assistir!

Mais britânico, impossível – o que mostra como esses personagens (um ficcional, a outra real – em mais de um sentido) passaram a ser parte indissociável da cultura do país.

Não só isso. Elizabeth se tornou personagem em diversas produções. No começo, mais como participações especiais e brincadeiras. Não tem como esquecer, por exemplo, de ‘Corra Que a Polícia Vem Aí!’, no qual o policial Frank Drebin (Leslie Nielsen) é incumbido de proteger a rainha (Jeannette Charles, que foi quase que a atriz oficial da personagem) – rendendo cenas hilárias como esta aqui:

Nessa mesma linha de comédia, incluindo o seu notório amor por cachorros, Elizabeth II abraçou até os pequenos: ela é a personagem coadjuvante de ‘Corgi: Top Dog‘, simpática animação belga sobre o mascote preferido da rainha – e que vem a ser, veja só, um agente secreto quando não está recebendo os afagos de sua tutora.

A Elizabeth para além da personagem

Com o passar do tempo, foi crescendo o interesse pela Elizabeth verdadeira, para além da figura quase mitológica – muito pelas fofocas envolvendo a família real, incluindo o conturbado casamento do filho dela, Charles, com a princesa Diana.

Em 2006, por exemplo, Helen Mirren encarnou a monarca em ‘A Rainha‘, drama biográfico que se concentra nas repercussões da morte de Lady Di. A atriz acabou vencendo o Oscar pelo papel.

Essas histórias envolvendo Diana, aliás, renderam o recente ‘Spencer‘, no qual a relação da então princesa (aqui, vivida por Kristen Stewart) com Elizabeth II (Stella Gonet) é um dos sub-enredos da trama

Houve, também, ‘Uma Noite Real‘, uma interessante dramédia sobre a jovem Elizabeth (Sarah Gadon), ainda princesa, quando ela resolveu sair com a irmã, a princesa Margareth, para comemorar o Dia da Vitória com o final da Segunda Guerra Mundial.

As transformações de Elizabeth II em 'The Crown', respectivamente interpretada por Claire Foy, Olivia Colman e Imelda Staunton (crédito: montagem sobre divulgação/Netflix)
As transformações de Elizabeth II em ‘The Crown’, respectivamente interpretada por Claire Foy, Olivia Colman e Imelda Staunton (crédito: montagem sobre divulgação/Netflix)

Porém, nada supera a relevância de ‘The Crown’. A série da Netflix parte justamente do ponto de vista de Elizabeth para contar a trajetória moderna da Casa de Windsor, a da realeza britânica, desde momentos antes da princesa assumir o posto de monarca do Reino Unido. Por meio de suas (até aqui) quatro temporadas, a produção trouxe uma versão ficcional de todos os problemas que, antes, só sabíamos pelos tabloides.

É um sucesso.

O reinado de Elizabeth II no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, assim como na Comunidade das Nações, chegou ao fim. Durou, na vida real, 70 anos. No entanto, por meio do que já foi produzido e do que ainda será feito, ela viverá para sempre na cultura pop, tamanho o fascínio que traz entre seus súditos – e também entre os seus detratores.

A rainha está morta. Longa vida à rainha.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.