Coronavírus

Indústria do cinema já perdeu US$ 5 bilhões em todo o mundo por causa do novo coronavírus

Estimativas indicam que a China, onde a epidemia começou, lidera as perdas

3 de março de 2020 16:17
- Atualizado em 17 de junho de 2020 12:30

O Covid-19 (ou “o novo coronavírus”) está se mostrando não apenas uma dor de cabeça de saúde pública, provocando até este momento 3.132 mortes em 92.240 casos registrados em todo o mundo, mas também um problema para a indústria do cinema. De acordo com analistas ouvidos por The Hollywood Reporter, a indústria cinematográfica mundial já acumularia perdas de US$ 5 bilhões (R$ 22,5 bilhões).

O resultado negativo chega após um grande ano para o setor em 2019, quando a bilheteria global chegou na marca de US$ 42,5 bilhões (R$ 191,2 bilhões).

As perdas são reflexo do fechamento dos cinemas na China, onde o surto da doença respiratória começou – e onde até agora foram registradas a maioria dos casos confirmados (cerca de 80 mil) e das mortes (2.944). De acordo com a Comscore, em dados publicados pela Variety, só no país foram perdidos US$ 1,91 bilhões (R$ 8,6 bilhões) em dois meses. A China tem o segundo maior mercado exibidor do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos – e o período do Ano-Novo chinês, que aconteceu em meio ao surto, é o mais concorrido nos cinemas locais.

Vale dizer que os cinemas chineses já foram autorizados a reabrir, mas dependem da adoção de uma série de medidas de higiene e segurança – incluindo filas de bilheteria alternadas e o registro das informações pessoais dos clientes, além de desinfetar as salas após cada filme. Por enquanto, nenhum local ainda se adequou às normas – e os 70 mil exibidores continuam fechados.

Jojo Rabbit’, indicado ao Oscar 2020, ainda não chegou aos cinemas chineses (crédito: divulgação / 20th Century)

Publicidade

‘007: Sem Tempo Para Morrer’ teve a turnê de imprensa e a pré-estreia em Pequim cancelada, enquanto os lançamentos de ‘1917’, ‘Jojo Rabbit’, ‘Sonic: O Filme’ e diversos outros ainda estão aguardando para acontecer – o que deve causar uma espécie de “congestionamento” de estreias após o final do surto.

O segundo país em casos confirmados, a Coreia do Sul (um pouco mais de 5 mil, com 29 mortes) teve uma queda de 70% no faturamento em fevereiro de 2020 quando comparado com o mesmo mês de 2019. Lá é o quinto maior mercado do mundo para a sétima arte. Para o comitê local do setor, o cenário já é pior do que a epidemia do MERS (Síndrome respiratória do Oriente Médio), que aconteceu em 2015.

Até o relançamento de ‘Parasita’ em versão preto e branco foi adiado para após o fim do surto.

Na Itália, terceiro país em casos no mundo e o primeiro na Europa, as bilheterias tiveram uma queda de 75% no último fim de semana, também informa a Variety. O comparativo foi com o mesmo período do ano passado. Das 1830 salas no país, 850 estavam fechadas.

Como reflexo, as estreias do novo ‘O Homem Invisível’, com Elizabeth Moss, e de ‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica‘, da Pixar, foram adiadas.

O problema pode se alastrar para a França – no país, 38 cinemas fecharam nesta segunda (2). São 191 casos confirmados por lá, com três mortes.

O problema para a indústria não vai terminar com a descoberta de um eventual tratamento ao vacina para o novo coronavírus – em alguns lugares, como na própria China, as gravações tiveram que ser interrompidas. No país asiático, neste momento, apenas equipes de produção com menos de 50 pessoas podem voltar ao trabalho.

‘Missão: Impossível 7’, da Paramount, teve as gravações em Veneza, que durariam cerca de três semanas, adiadas após recomendações do governo local.

Por tudo isso, é possível que haja um aumento nos custos dos longas-metragens, ou mesmo o adiamento de alguns títulos mesmo após o fim do surto.

Bong Joon Ho comemora ao saber que venceu a Palma de Ouro de Cannes-19 (crédito: divulgação / Festival de Cannes)

Também importantes para o funcionamento da indústria, os festivais podem sofrer com o Covid-19. O Festival Internacional de Cinema de Berlim, já estava em andamento quando o surto chegou à Europa, mas o impacto poderá ser sentido nos próximos eventos.

Na última sexta, 28, a organização do Festival de Cannes informou que ainda era prematuro um adiamento do evento, que acontece entre 12 e 23 de maio. Principal festival do cinema europeu ao lado de Berlim e Veneza, Cannes é famoso por ditar muito do que acontece na indústria nos anos seguintes, seja nos holofotes ou longe deles. ‘Parasita‘, o grande vencedor do Oscar 2020, foi o vencedor da Palma de Ouro do evento em 2019.

O MIPTV (Marché International des Programmes de Télévision), essencialmente um mercado para compra, venda, financiamento e distribuição de conteúdos de entretenimento – incluindo TV e cinema -, continua confirmado para acontecer em Cannes a partir de 30 de abril.

O SXSW, festival de cultura e inovação de Austin Texas que começa no dia 13 de março, é outro que está confirmado – mas o Facebook anunciou que não estará no evento justamente por causa do Covid-19.