Netflix 200 reais v2

Netflix sofre com cancelamentos e perde assinantes pela 1ª vez em uma década

Após resultado negativo, empresa diz que quer “melhorar a qualidade da programação e das recomendações”

19 de abril de 2022 18:29
- Atualizado em 20 de abril de 2022 12:29

Por anos, uma coisa era certa: a Netflix anunciaria seus resultados trimestrais com um crescimento no número de usuários. Porém, essa sequência de mais de uma década está oficialmente encerrada. A gigante do streaming divulgou nesta terça, 19, o mais recente balanço financeiro, referente ao primeiro trimestre de 2022 – revelando uma queda de 200 mil assinantes em todo o mundo. A previsão da empresa era modesta, mas de crescimento de 2,5 milhões de membros.

Agora, a Netflix tem 221,64 milhões de usuários pagantes. Trata-se do pior resultado desde outubro de 2011, quando também ficou no vermelho. Na época, a plataforma estava disponível apenas nos EUA e em poucos outros países, contando com apenas 25 milhões de assinantes.

Para complementar o atual cenário negativo, a receita da empresa cresceu “apenas” 10% – abaixo das expectativas de Wall Street. Com isso, as ações da companhia fundada por Reed Hastings estão caindo mais de 20% no after market.

Sede da Netflix em Los Gatos, Califórnia (crédito: divulgação / Netflix)
Sede da Netflix em Los Gatos, Califórnia (crédito: divulgação / Netflix)

📺 Quer encontrar mais de mil sugestões de filmes para assistir na Netflix? Confira aqui!

Publicidade

Há algumas justificativas para a queda. Entre elas, a Netflix saiu do mercado russo após a invasão à Ucrânia – perdendo algo entre 1 a 2 milhões de assinantes, o que impactou nos resultados da região da Europa, África e Oriente Médio. Porém, houve também uma diminuição de assinaturas nas regiões do Canadá e dos EUA e na América Latina. Crescimento, mesmo, apenas na Ásia e no Pacífico.

Na nossa região, por exemplo, o balanço atribui o tombo a “fraqueza macroeconômica e mudanças de preço”. Houve também aumento nos Estados Unidos, justificando a queda lá.

É preciso ainda levar em conta uma desaceleração no volume de lançamentos de filmes da plataforma, que são o tema aqui do Filmelier, além da inflação generalizada em todo o mundo e o afrouxamento das restrições da pandemia, trazendo uma maior competição com o entretenimento fora de casa. Não acaba aí.

Netflix vs o compartilhamento de contas

“Nossa relativamente alta penetração de domicílios – incluindo o grande número de domicílios que compartilham contas – combinada com a concorrência, está criando ventos contrários no crescimento da receita. O grande impulso da covid-19 para o streaming obscureceu esse retrato até recentemente”, explica a empresa, que afirma que está focada agora em aumentar os ganhos.

Entre as preocupações dos investidores está justamente a necessidade de grandes investimentos na produção de filmes e séries, ainda mais com o recrudescimento da chamada “guerra do streaming”. Nesse cenário, aumentar a receita é um ponto importante.

Lançado em março, 'Projeto Adam' foi visto por um total de 223 milhões de horas - mas nem isso ajudou a Netflix (crédito: divulgação / Netflix)
Lançado em março, ‘Projeto Adam’ foi visto por um total de 223 milhões de horas – mas nem isso ajudou a Netflix (crédito: divulgação / Netflix)

Não por coincidência, a Netflix já está testando uma cobrança adicional para quem compartilha contas. São, de acordo com os dados do próprio balanço, mais de 100 milhões de lares que utilizam a senha de outras casas.

Ainda assim, a plataforma está olhando para outros problemas.

“No curto prazo, não estamos crescendo a nossa receita tão rápido quanto gostaríamos” diz, sem meias palavras. “Queremos acelerar o tempo na plataforma e a receita ao continuar melhorando todos os aspectos da Netflix – em particular a qualidade da nossa programação e recomendações, que é aquilo que os membros mais valorizam”.

Enquanto isso, a Netflix vai expandindo suas ações no mundo dos games, buscando ampliar o apelo da plataforma principalmente com os mais jovens.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.