boiling-point

“Foi incrivelmente difícil”, diz diretor de ‘O Chef’ sobre plano-sequência

Philip Barantini, que também já trabalhou como chef de cozinha, fala sobre os desafios de recriar esse ambiente recheado de tensão

Matheus Mans   |  
6 de outubro de 2022 14:49
- Atualizado em 7 de outubro de 2022 16:01

O chef Andy Jones (Stephen Graham) chega ao seu restaurante, na Inglaterra, sem imaginar tudo que vai acontecer ao longo de uma noite de serviço. Clientes mal-educados, agentes da vigilância sanitária, uma crítica gastronômica, problemas familiares. Essa é a trama de ‘O Chef‘, filme disponível nos serviços de streaming desde a última semana e que mergulha, sem verniz ou cuidados, no mundo alucinante e às vezes até mesmo cruel da alta gastronomia.

Dirigido por Philip Barantini (‘Villain’), que assina o roteiro ao lado de James Cummings, o longa-metragem é um mergulho tenso e desesperador nos bastidores das cozinhas. O cineasta deixa isso evidente já na forma de retratar esse cotidiano: o filme todo usa técnicas e efeitos para dar a impressão de que é sem cortes, como um único plano-sequência. Dá a sensação de ansiedade, de que aquela coisa que estamos assistindo na tela não tem fim.

‘O Chef’ fala sobre a rotina de uma cozinha de alta gastronomia (Crédito: Divulgação/Synapse)

🎞  Quer saber as estreias do streaming e dos cinemas? Clique aqui e confira os novos filmes para assistir!

“Foi incrivelmente difícil”, diz o cineasta, em entrevista ao Filmelier. “Tínhamos que planejar tudo com muitas semanas de antecedência. Garantimos que tudo estava no lugar certo e ensaiamos por duas semanas com os atores”. A seguir, Philip Barantini comenta mais sobre os desafios da gravação de ‘O Chef’ e sua experiência no mundo das cozinhas.

Filmelier: Primeiro, conte aquilo que todo mundo quer saber: como foi filmar um filme em plano sequência?

Publicidade

Philip Barantini: Gravar um filme em uma tomada longa foi incrivelmente difícil. Tínhamos que planejar tudo com muitas semanas de antecedência. Garantimos que tudo estava no lugar certo e ensaiamos por duas semanas com os atores. Em seguida, filmamos o filme quatro vezes no total, do início ao fim. Era como criar uma dança coreografada – todo mundo precisava saber onde tinha que estar o tempo todo. A câmera é como um personagem neste filme – a câmera é você, o público. Você é um voyeur e não consegue tirar os olhos do que está acontecendo. Foi incrivelmente difícil, mas foi muito divertido, e a adrenalina estava definitivamente bombeando.

Filmelier: O que te motivou a contar uma história sobre o mundo da gastronomia?

Philip: Bem, eu fui ator por 25 anos e, durante esse tempo, eu não estava ganhando dinheiro suficiente para sobreviver, então eu precisava de um segundo emprego. Decidi começar a trabalhar em cozinhas para ganhar algum dinheiro. Trabalhei de baixo para cima – onde lavava pratos – e subi até o topo, onde me tornei chef de cozinha depois de 10 anos, e fiz isso por dois anos. Durante esse tempo trabalhando em cozinhas, percebi que o mundo da gastronomia está maduro para o drama. Muitas coisas acontecem nesse mundo – tempos bons, tempos ruins, tempos felizes, tempos tristes… tudo. Então, eu realmente queria mostrar às pessoas como é realmente trabalhar na indústria da hospitalidade. Houve alguns filmes no passado que não atingiram a marca, na minha opinião, então eu queria mostrar algo que fosse fiel a esse mundo e minha experiência pessoal do que passei.

Filmelier: O filme é muito realista sobre os bastidores de uma cozinha profissional. Como foi esse trabalho de trazer essa verdade para o filme?

Philip: Você tem que começar com a minha experiência – eu trouxe tudo o que sei daquele mundo e queria colocar no filme, então esse foi o começo. Mas então você também tem que ter atores realmente fortes. Quando testamos os atores, eles tiveram que improvisar livremente em torno do roteiro. Durante as audições, eu os fazia improvisar. Eu também os testava um pouco – eu os surpreendia com coisas que eles não esperavam, como novos cenários ou falas que outro ator diria. Eu queria que fosse incrivelmente realista. Essa foi a chave para este filme – fazer as pessoas pensarem que poderia ser real e também relacionável – eu queria que as pessoas que trabalham em hospitalidade assistissem e pensassem ‘oh sim, sou eu – eu estive nessa situação’.

Filmelier: Como foi trabalhar com Stephen Graham? Como foi sua imersão nessa história?

Philip: Ele é um ator maravilhoso – ele é tão generoso e realmente se importa com a história, com todos os personagens e todos os atores. Ele não é egoísta de forma alguma, forma ou forma. Ele realmente é um jogador de equipe e acho que é absolutamente fundamental ter alguém como ele no comando de um filme como este.

Filmelier: Finalmente, você já está trabalhando em um novo filme? O que você pode nos contar?

Philip: Sim, completei um filme chamado ‘Accused’. Ele será lançado no Reino Unido no próximo ano. Não tenho certeza sobre datas de lançamento em outros lugares, mas imagino que sairá no Brasil em algum momento. Eu também tenho algumas séries de TV e outro filme que começarei a filmar no próximo ano. Eu tenho sete projetos que estão em diferentes estágios de montagem. Mal posso esperar para mostrar a todos o que está por vir!

Ficou curioso em assistir ao filme? Clique aqui para mais informações sobre ‘O Chef’, disponível em plataformas de video on demand.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.