05-disney-scaled

Disney+ e Star+ surpreendem investidores e chegam a 137 milhões de assinaturas

Em um ano, as plataformas de streaming da Disney cresceram em 33% a base de assinantes

12 de maio de 2022 11:01

Se o cenário do streaming não está favorável para a Netflix, o mesmo não se pode dizer da Disney. A empresa divulgou ontem, 11, o balanço financeiro do primeiro trimestre de 2022 e surpreendeu analistas e investidores ao superarem a expectativa para novas assinaturas no video on demand.

Originalmente acreditava-se que o Disney+ ampliaria o número de residências em algo entre 4,5 a 5 milhões – no entanto, o serviço adicionou 7,9 milhões de membros pagantes no período. Agora a plataforma tem 137,7 milhões de assinaturas. Foi um crescimento de 33% em um ano.

Isso após um trimestre no qual, vale lembrar, a Netflix perdeu 200 mil assinaturas – com a empresa prevendo um segundo trimestre ainda pior. Hoje, a concorrente tem 221,84 milhões de assinantes.

Disney+ e suas cinco marcas: Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic
As cinco marcas principais que compõe o Disney+ (crédito: divulgação / Disney)

📺 Quer centenas de filmes da Disney para assistir online? Confira aqui!

Publicidade

Esses números compreendem também as assinaturas do Star+ e do Combo+ (que oferece os dois serviços por uma única assinatura), que existem apenas na América Latina, além dos membros pagantes do indiano Disney+ Hotstar. Sem considerar a versão indiana, os serviços somam 87,6 milhões de assinaturas.

Já o Hulu – streaming controlado pela Disney e que só opera nos EUA – teve 300 mil novos assinantes, chegando a um total de 46,6 milhões. No mesmo período, o ESPN+ cresceu em 1 milhão de assinaturas, alcançando a marca de 22,3 milhões.

Outra métrica importante é que o grupo fundado por Walt Disney ampliou a receita por usuário no Disney+. Desconsiderando a Índia, a arrecadação média por assinatura cresceu 13% (de US$ 5,61 para US$ 6,33).

Já na terra de Gandhi, país onde o mercado de streaming é extremamente agressivo e os preços são baixíssimos, a receita média por assinatura subiu surpreendentes 55% – ainda que dos irrisórios US$ 0,49 para US$ 0,76.

Mesmo assim – levando em conta outros temores com o streaming, a conjuntura geral do grupo (que, vale lembrar, trabalha com filmes de cinema a parques de diversões) e as expectativas do mercado -, o valor das ações da Disney na Bolsa de Bova York seguem em queda. O tombo no ano é de 59,42%.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.