Greve de atores de Hollywood: Entenda o protesto que tem participação de Margot Robbie, Mark Ruffalo e Bruna Marquezine Greve de atores de Hollywood: Entenda o protesto que tem participação de Margot Robbie, Mark Ruffalo e Bruna Marquezine

Greve de atores de Hollywood: Entenda o protesto que tem participação de Margot Robbie, Mark Ruffalo e Bruna Marquezine

Atores de Barbie e Oppenheimer, como Margot Robbie e Matt Damon, além de Bruna Marquezine, estão em greve em Hollywood. Entenda os motivos do SAG-AFTRA, os impactos na indústria e os posicionamentos de estúdios

14 de julho de 2023 20:48
- Atualizado em 17 de julho de 2023 11:50

Hollywood está testemunhando uma greve histórica de atores e roteiristas, com nomes de peso da indústria se juntando ao movimento. A Screen Actors Guild (SAG-AFTRA), sindicato que representa os atores de cinema e TV nos Estados Unidos, anunciou na última quinta-feira, 13, seus planos de entrar em greve, marcando um momento significativo na indústria do entretenimento.

Nomes famosos como Margot Robbie, Matt Damon, George Clooney e até mesmo a brasileira Bruna Marquezine (que em breve estará no filme da DC O Besouro Azul) estão engajados nesse protesto. Entenda a greve que pode afetar as estreias de filmes e séries como Barbie, Oppenheimer e Stranger Things.

O que é a greve de atores e roteiristas em Hollywood?

Hollywood se une em uma greve histórica

Publicidade

Em maio deste ano, os roteiristas de Hollywood anunciaram paralisação após falha em negociações. Isso marca a primeira vez em décadas que atores e roteiristas estão simultaneamente em greve. A última vez em que atores e roteiristas fizeram uma greve conjunta em Hollywood foi em 1960, quando Ronald Reagan era presidente do Screen Actors Guild, o que torna essa paralisação um evento histórico.

Trata-se também da primeira greve de atores contra a indústria do cinema e da televisão desde 1980. Em julho de 1980, os membros do SAG-AFTRA estavam com tanto medo do que aconteceria com seus empregos com o advento da televisão paga e outras novas “tecnologias de home video” que abandonaram seus sets e fizeram greve.

Charlton Heston em piquete do lado de fora da Paramount Studios em Hollywood durante uma greve de atores em 1980
Charlton Heston em piquete do lado de fora da Paramount Studios em Hollywood durante uma greve de atores em 1980 (Lennox McLendon/Associated Press)

Por que os atores e escritores estão em greve?

A greve é um protesto dos atores e roteiristas da indústria do entretenimento em busca de melhores condições de trabalho, incluindo remuneração justa e proteção contra o uso de inteligência artificial (IA) na criação de conteúdo. O piquete começou na manhã desta sexta-feira, 14, com os manifestantes unidos por uma busca por melhores condições de trabalho e remuneração justa.

O lado dos atores nas negociações

O principal ponto de tensão é o pagamento de royalties (residuals) por parte dos serviços de streaming, já que o modelo de negócios mudou significativamente com o surgimento dessas plataformas e os desafios criados pela pandemia.

Tanto os atores quanto os roteiristas têm exigido pagamentos residuais aumentados (um tipo de royalties) dos serviços de streaming. As séries de streaming geralmente têm muito menos episódios do que as séries de televisão tinham antigamente. Geralmente, funcionava assim: se uma série de televisão fizesse sucesso, os atores e roteiristas podiam contar com uma longa sequência de cheques residuais regulares. Porém, o streaming mudou o sistema de uma maneira que, segundo eles, os prejudicou. 

Muitos estúdios, assim como atores e roteiristas, enfrentam dificuldades financeiras no momento pós-pandemia, dificultando possíveis acordos com o sindicato. Porém, os profissionais buscam melhor remuneração e novas proteções em um ambiente de trabalho em constante mudança.

Líderes do sindicato de Hollywood SAG-AFTRA, incluindo Fran Drescher, em coletiva de imprensa que anunciou a greve
Líderes do sindicato de Hollywood SAG-AFTRA, representando 160.000 atores de televisão e cinema, votaram pela greve na quinta-feira, 13 (Crédito: CNN)

Artistas vs IA

Ambos os grupos também desejam limites rigorosos no uso de inteligência artificial para preservar empregos.

Fran Drescher, presidente da SAG-AFTRA, destacou a importância dessa greve, afirmando: “Estamos sendo vítimas de uma entidade muito gananciosa. Estão tentando nos excluir do que é nosso por direito. Vergonha!”. Drescher também mencionou o apoio de diversos atores renomados, como Margot Robbie, George Clooney e até mesmo Bruna Marquezine, que estão unidos nessa luta por uma indústria mais justa.

O posicionamento de estúdios de Hollywood

A Alliance of Motion Picture and Television Producers (AMPTP), que representa os grandes estúdios de Hollywood, apresentou uma proposta à SAG-AFTRA, conforme divulgou em comunicado de imprensa.

“As empresas membros da AMPTP entraram em negociações com a SAG-AFTRA com o objetivo de estabelecer um novo contrato mutuamente benéfico”, disse a organização. “O AMPTP apresentou um acordo que oferecia salários históricos e aumentos residuais, aumento significativo nos valores de pensão e saúde, proteções para audições, opções de séries reduzidas e uma proposta inovadora de IA. Uma greve certamente não é o resultado que esperávamos, pois os estúdios não podem operar sem os artistas que dão vida aos nossos programas de TV e filmes.”

No entanto, a greve foi declarada após os atores considerarem que a oferta não atendia suas demandas.

Já o CEO da Disney, Bob Iger, não mediu palavras ao aparecer no “Squawk Box” da CNBC na manhã de quinta-feira, dizendo que as demandas dos roteiristas e atores eram irrealistas

“É muito perturbador para mim”, disse ele ao apresentador David Faber quando questionado sobre a greve dos roteiristas e a iminente paralisação dos atores. “Este é o pior momento do mundo para aumentar essa interrupção. Eu entendo o desejo de qualquer organização trabalhista de trabalhar em nome de seus membros para obter a maior compensação e ser compensada de forma justa com base no valor que eles entregam. Há um nível de expectativa que eles têm que simplesmente não é realista. E eles estão adicionando a um conjunto de desafios que este negócio já está enfrentando que é francamente muito perturbador e perigoso.”

O impacto da greve de atores nas produções de séries e filmes

A greve afeta diretamente a produção de novos filmes e séries, além de interromper as atividades de promoção de projetos já concluídos. Isso significa que os atores não poderão participar de audições para futuros projetos, nem promover seus trabalhos em convenções, estreias ou nas redes sociais.

Margot Robbie e Ryan Gosling, atores de Barbie, apoiam a greve dos roteiristas
Margot Robbie e Ryan Gosling, atores de Barbie, apoiam a greve dos roteiristas (Crédito: Broadimage/Shutterstock)

Premiações e Comic-Con afetadas

Isso significa que Margot Robbie e Ryan Gosling não vão mais participar da divulgação de Barbie, e o elenco de Succession não fará campanha para o Emmy Awards. Inclusive, a participação em premiações, como o Emmy Awards, também é comprometida. A transmissão do Emmy, programada para 18 de setembro, pode ser adiada para janeiro de 2024, dependendo da duração da greve.

A San Diego Comic-Con, uma mega convenção que acontece no final de julho na Califórnia, e geralmente está repleto de atores, diretores e roteiristas anunciando seus próximos filmes e séries, será um evento silencioso este ano. Os painéis planejados já foram cortados pela greve dos roteiristas em maio e, na quinta-feira, o site da Comic-Con manteve uma lista contínua de painéis e eventos cancelados após as notícias do SAG. Entre ele, estavam uma sessão de autógrafos de Good Omens e um painel do 25º aniversário de That ’70s Show.

Estreias afetadas: “Oppenheimer” e “Barbie”

Antes da greve ser oficialmente anunciada, as estrelas dos aguardados filmes Oppenheimer e Barbie — que chegam aos cinemas no próximo dia 20 de julho — conseguiram promover as estreias de seus filmes. No último fim de semana, Margot Robbie e Ryan Gosling, protagonistas de Barbie, desfilaram no tapete rosa em Los Angeles. Na ocasião, Robbie disse à Sky News que ela era “muito a favor de todos os sindicatos” e “com certeza” iria apoiar a greve.

Poucas horas antes do anúncio da greve, Matt Damon, Emily Blunt, Cillian Murphy e Florence Pugh promoveram Oppenheimer em uma estreia em Londres.

Matt Damon, durante uma entrevista ao Deadline, expressou sua preocupação com os efeitos da greve para os atores e sua própria produtora, que teve que paralisar a produção de um de seus filmes. No entanto, ele enfatizou a importância de lutar por um acordo justo para os artistas: “Ninguém quer uma paralisação, mas se nossa liderança diz que o acordo não é justo, precisamos permanecer fortes até alcançarmos um acordo que seja justo para os atores trabalhadores. É a diferença entre ter ou não assistência médica para muitos atores, e precisamos fazer o que é certo por eles”.

Emily Blunt também se pronunciou, afirmando que o elenco de Oppenheimer deixaria a estreia juntos caso a greve fosse anunciada. Ela ressaltou a importância de agir corretamente em relação aos atores e suas demandas.

O diretor Christopher Nolan, responsável por comandar Oppenheimer, mencionou durante a pré-estreia do filme em Londres que o elenco deixou o evento para “escrever seus cartazes de protesto” e se juntar à luta dos sindicatos.

Séries e filmes afetados pela greve dos atores e roteiristas

A 2ª temporada da série da HBO Max House of the Dragon, que atualmente está em produção, não será afetada pela greve devido a regulamentações trabalhistas diferentes no Reino Unido, onde parte das filmagens está ocorrendo. No entanto, outros filmes e séries correm o risco de serem paralisados, incluindo o aguardado Deadpool 3. Essa greve terá um impacto significativo em Hollywood, interrompendo a produção de filmes e séries, audição para novos projetos e até mesmo a divulgação de obras já concluídas.

O futuro da indústria do entretenimento

Essa greve está sendo observada de perto pela indústria cinematográfica e por trabalhadores de outras áreas, pois reflete questões que são relevantes para todos os campos de trabalho. A pressão por mudanças e respeito aos direitos dos atores é cada vez maior, especialmente diante das transformações no modelo de negócios impulsionadas pelo streaming, digitalização e inteligência artificial.

Com a greve dos atores de Hollywood em andamento, a indústria do entretenimento enfrentará desafios significativos, e é provável que as negociações continuem a fim de buscar um acordo que atenda às demandas dos atores e roteiristas. O futuro das produções cinematográficas e televisivas dependerá do resultado dessas negociações e do engajamento de todas as partes envolvidas na indústria do entretenimento.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.