mundo-estranho-2

‘Mundo Estranho’: há um bom filme sob este produto genérico da Disney

De alguma forma, ‘Mundo Estranho’ consegue misturar uma história de trauma geracional, uma aventura steampunk e uma mensagem ambiental em uma produção esquecível

Lalo Ortega   |  
24 de novembro de 2022 08:46

Geralmente, quando falamos de filmes da Disney, eles vêm à mente em dois grupos distintos: as fantasias musicais de princesas de um lado – dos estúdios de animação Walt Disney, geralmente – e as animações mais exclusivas sob o guarda-chuva da Pixar. Por isso, ‘Mundo Estranho’ é marcante : é uma das poucas produções do primeiro estúdio que não é um musical nem é sobre princesas. E mais: é uma aventura de ficção científica com óbvias influências steampunk.

Isso, por si só, merece atenção tanto dos fãs quanto dos detratores de Mickey Mouse, estes últimos críticos do repertório geralmente limitado e repetitivo do estúdio. E a ficção científica é mais uma anomalia em uma longa história povoada principalmente por adaptações de histórias de fantasia. Com alguma razão: já estivemos aqui antes e não foi o melhor nas bilheterias (mesmo que o tempo tenha feito justiça).

Mas aqui estamos, com o 61º longa-metragem da Disney Animation Studios, fortemente influenciado pelas revistas pulp do início e meados do século XX. Eles publicaram histórias extravagantes de fantasia, ação e ficção científica leve, popularizando esses gêneros entre o público em geral.

Publicidade

E assim poderíamos definir ‘Mundo Estranho’, como “luz” dentro de seus respectivos gêneros. Sua trama segue Searcher Clade (dublado por Jake Gyllenhaal), o tímido filho do musculoso, bigodudo e hipermasculino explorador Jaeger (Dennis Quaid), cujo grande objetivo na vida é sempre descobrir novos horizontes.

Mundo Estranho
‘Mundo Estranho’ fala sobre traumas geracionais com mensagem ambiental (Crédito: Divulgação/Disney)

Durante uma expedição na juventude de Searcher, os dois se separam após discutirem sobre suas visões de mundo: Jaeger quer seguir em frente, mas Searcher descobre uma usina misteriosa que gera eletricidade e pode ser o futuro de sua terra, Avalonia.

E ele tem razão: a usina, agora chamada de Pando, marca o início de um grande desenvolvimento tecnológico em apenas 25 anos. Searcher é considerado um herói e criou uma família: ele tem uma esposa, Meridian (Gabrielle Union) e um filho, Ethan (Jaboukie Young-White).

No entanto, quando uma estranha praga parece afetar as plantações de Pando, Searcher é chamado de volta aos seus velhos hábitos como explorador para encontrar uma solução e, assim, evitar uma catástrofe energética em Avalonia. A expedição acaba se tornando um encontro de três gerações da família Clade em um mundo subterrâneo que parece de outro planeta.

Assim, ‘Um Mundo Estranho’ nos apresenta um roteiro bastante conciso. Há um objetivo claro (descobrir o que afeta Pando) e dois temas a desenvolver a partir dele: os conflitos nos laços entre pais e filhos e, como veremos mais adiante, a forma como a humanidade se relaciona com o mundo natural.

Em grande medida, tudo isso funciona. Mas, apesar de uma mistura tão rica de elementos, o produto final é surpreendentemente insípido.

‘Mundo Estranho’: Grandes ideias com execução branda

Um dos grandes trunfos do filme – o primeiro solo do diretor Don Hall, cuja produção anterior é ‘Raya e o Último Dragão‘ – é a dinâmica entre três homens que se veem refletidos nos filhos e nas expectativas que têm sobre eles.

Searcher se ressente por seu pai o ter criado para ser um explorador como ele, sem se perguntar se era isso que ele queria. Portanto, Searcher está determinado a não cometer o mesmo erro com Ethan. Nesse sentido, a Disney continua a explorar o tema do trauma geracional, central em muitos de seus filmes recentes.

‘Mundo Estranho’ é uma das instâncias mais bem executadas, representando três gerações e três formas diferentes de conceber a masculinidade e, a partir delas, de se relacionar com a natureza. Pai, filho e neto Clade concebem o mundo de três maneiras diferentes: como um lugar a ser conquistado, aproveitado ou simplesmente admirado em convivência harmoniosa.

Em outras palavras, há ideias interessantes no roteiro de Qui Nguyen (que coescreveu ‘Raya’ com Adele Lim). O problema, surpreendentemente para uma produção animada da Disney, está na execução.

Porque, apesar de sua ambição conceitual de seu mundo fantástico, muito dele acaba se perdendo. A maioria das criaturas, com exceção do mascote cômico obrigatório (aqui chamado Splat, uma bolha gelatinosa azul), mal registra na memória, seus designs visuais e sonoros tão pouco inspirados que acabam se perdendo no mundo ao seu redor, como um enorme colar.

A música também não é poupada, pois é fornecida pelo compositor Henry Jackman, um notório colaborador de outro terreno fértil de música genérica: o Universo Cinematográfico Marvel (Jackman compôs músicas para filmes como ‘Capitão América: Guerra Civil‘). Não há um único tema que fique na memória quando rolam os créditos finais.

Há pontos que se salvam: é uma das produções da Disney que melhor alcança ampla representação racial e LGBTQ+, graças à sua naturalidade quase óbvia, sem torná-la a pedra angular de sua narrativa ou de sua promoção. Se ao menos tivesse acontecido com um filme melhor.

Infelizmente, apesar de todas as suas boas ideias, ‘Mundo Estranho’ é pouco mais do que o produto mais genérico que a Walt Disney Animation Studios entregou há algum tempo. Do título à execução, parece ter saído de um “gerador de filmes de aventura”.

‘Mundo Estranho’ já está nos cinemas. Para saber mais sobre o filme e comprar ingressos, acesse aqui.

Siga o Filmelier no FacebookTwitterInstagram e TikTok.