pinocho-de-guillermo-del-toro-cr

‘Pinóquio’, de Guillermo del Toro, é filme sobre amor para resistir ao fascismo

‘Pinóquio’, de Guillermo del Toro, usa a história original para interpretá-la de uma perspectiva muito próxima da sensibilidade do diretor

Lalo Ortega   |  
29 de novembro de 2022 15:22

Desde que o ‘Pinóquio’, de Guillermo del Toro, estreou no Festival de Cinema de Londres, ele foi elogiado como uma interpretação totalmente original, mais “sombria” e até “macabra” do romance italiano de Carlo Collodi publicado no final do século XIX.

Ou, pelo menos, mais sombria quando comparada com a adaptação do romance mais universalmente conhecida: a da Disney, lançada em 1940. Uma interpretação mais sentimental que, como já mencionamos, alguns acadêmicos apontam como típica da consciência capitalista: a moral é que o fantoche deve trabalhar para provar que é uma criança corajosa, generosa e sincera para se tornar uma “criança de verdade”.

A apreciação “mais sombria” por este ‘Pinóquio’ – em alguns cinemas desde 25 de novembro e na Netflix a partir de 9 de dezembro – pelo menos na superfície faz sentido. Aqui, o boneco é praticamente um tronco bruto, uma cópia carbono do desenho criado para o personagem pelo ilustrador americano Gris Grimly, que trabalhou em uma versão ilustrada do livro de Collodi publicado em 2002.

Publicidade

Não por acaso, nesta nova versão, a criação do menino de madeira é representada como o nascimento de um monstro. “Pinóquio e Frankenstein são a mesma história”, disse Del Toro em certa ocasião e, de certa forma, é verdade. Ambos são seres criados pela arrogância de um “pai” que, num lampejo de loucura, decide desafiar a morte.

No ‘Pinóquio’ de Guillermo del Toro, este é um pai tomado pela dor por ter perdido seu filho durante a Grande Guerra. Transformado em um alcoólatra consumido pela culpa, o carpinteiro Geppetto (voz de David Bradley) decide cortar o pinheiro que cresceu ao lado do túmulo de seu filho e esculpir um novo “filho”. Suas orações são ouvidas pela fada de cabelo turquesa (dublada por Tilda Swinton), que dá vida ao boneco e designa Sebastian J. Cricket (Ewan McGregor) para guiá-lo e ser “bom”.

Pinóquio de Guillermo del Toro é um dos lançamentos de dezembro na Netflix
Pinóquio de Guillermo del Toro é um dos lançamentos de dezembro na Netflix (Crédito: Divulgação/Netflix)

No entanto, quando Pinóquio (Gregory Mann) é revelado ao mundo, a reação é mais parecida com a de um monstro. Um ser que, apesar de sua inocência, é grotesco e incompreendido por um povo, até mesmo por seu próprio pai, despreparado para sua existência antinatural e até profana, aos olhos dos paroquianos católicos italianos da década de 1930.

Curiosamente, a partir daqui, a produção, codirigida por del Toro e o artista de animação em stop motion Mark Gustafson, se desenrola mais como a versão destilada e narrativamente barata da Disney: o menino fantoche deve ir à escola para aprender a se comportar como uma “boa” criança e pare de causar problemas. O encanto da fama faz com que ele se desvie, no entanto, desencadeando a busca de Geppetto para trazê-lo para casa.

Ou algo semelhante. É nas divergências da trama que já sabemos que o ‘Pinóquio’ de Guillermo del Toro encontra sua alma, questionando a noção de “bondade” (e se deve haver apenas uma, afinal).

‘Pinóquio’: sobre a infância apanhada na guerra

Até agora, pode não ser um grande segredo que ‘Pinóquio’ de Guillermo del Toro é uma releitura antifascista do romance de Collodi. A história não se passa no final do século 19, mas durante a ascensão de Benito Mussolini na Itália durante a década de 1930, onde apenas uma coisa se esperava do povo e dos meninos que acabariam se tornando homens: obediência absoluta.

Esse fato aparentemente simples o torna radicalmente diferente em valores e discursos em comparação com a versão da Disney (e muito mais rico que o remake sem alma que o estúdio do Mickey Mouse também decidiu lançar no mesmo ano). Em última análise, o ‘Pinóquio’ da Disney também é sobre obediência: o boneco deve aprender a se comportar para ser “bom” e se tornar um menino de verdade.

É engraçado que, narrativamente, a versão de del Toro não se desvie tanto da Disney (Crédito: Divulgação/Netflix)

Seguindo um dos interesses temáticos da filmografia do seu realizador, o ‘Pinóquio’ de Guillermo del Toro abraça a fantasia negra para histórias de crianças presas em guerras que não compreendem, não provocam e que, no entanto, as utilizam ou vitimizam.

Os filhos de ‘O Labirinto do Fauno‘ e ‘A Espinha do Diabo’, que sobrevivem na brutalidade da Guerra Civil Espanhola, são ecoados pelos jovens inocentes que, ansiosos por deixar seus pais (e, por extensão, sua pátria) orgulhosos), eles são levados para os campos de treinamento militar do fascismo.

A armadilha aqui, então, não é o hedonismo que ameaça nos transformar em autênticos burros, mas aquela obediência que elimina todos os vestígios de pensamento crítico e aniquila a alteridade, transformando-nos em “burros” metafóricos.

Então esse ‘Pinóquio’ é tão original e sombrio quanto ele diz? Talvez não tanto. Ele realmente não abandona as convenções sentimentais dos contos de fadas convencionais, embora abrace com mais confiança seus aspectos mais sombrios (impensáveis ​​para a visão quase higiênica de Mickey Mouse).

Com isso, del Toro toca nossos corações ao propor algo mais importante do que sua aparente originalidade: a outro monstro que, como em ‘A Forma da Água‘, nos fala sobre o poder do amor que se esconde em nossas diferenças. O poder de nos amarmos como somos para enfrentar o totalitarismo que, em tantos tempos e países, tenta quebrar tudo em nome do poder e do controle. Apesar do medo, e apesar do risco de morrer e perder tudo.

Idealista? pode ser. Mas, pelo menos para mim, representa o tipo de conto de fadas de que realmente precisamos. Sua vez, Disney.

‘Pinóquio’, de Guillermo del Toro, está em alguns cinemas, acesse este link para vê-los.